5 coisas que aprendi em Viena

Não, eu não estava preparada para Viena. Estudei, li, pesquisei, mas quando olhei para aquilo tudo, meu queixo caiu. Não sei se porque os pouquíssimos dias que passei lá estavam lindos, era primavera e tudo cheirava a rosas, porque fui com meu amor, ou por tudo isso junto. Não importa.

Meus sentidos ficaram entorpecidos por causa de tanto estímulo, essa é que é a verdade. Mas não à toa; muita história, cultura e arte num lugar lindo só.

Em 1910, Viena era a quinta maior cidade do mundo, perdendo apenas para Londres, Paris, New York e Chicago, mas perdeu 25% de sua população depois da I Guerra Mundial (que, por sinal, começou com o assassinato do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do poderoso Império Austro-Húngaro). A dinastia Habsburg acabou, mas deixou um legado de palácios, castelos e jardins de cair o queixo.

Saí de lá feliz e inspirada pelos clássicos, modernos e contemporâneos austríacos. Resumindo bem, aprendi 5 coisas novas a respeito dessa cidade única.

  1. ARQUITETURA

Talvez porque tenha sido poupada de bombardeios nas guerras, há muitas, muitas mesmo, construções originais ainda em estilo barroco, da época áurea dos Habsburg. Sem contar as obras incríveis deixadas pelo movimento Secessão e do louquíssimo arquiteto Friedensreich Hundertwasser (vamos falar sobre ele depois). São castelos, museus, óperas, teatros, parques e edifícios “comuns” de cair o queixo. Só flanar pelas ruas por onde Freud caminhava já é um convite ao torcicolo.

IMG_9867
#mariatheresienplatz #paracegover A imagem, em formato panorama, mostra uma fonte com figuras de bronze ao centro. Do lado esquerdo, o prédio do museu de história natural, na sombra, meio azulado. Do lado direito, o museu de história da arte, iluminado pela luz do sol do final da tarde, num tom alaranjado. Duas mulheres e uma criança caminham do lado direito.
IMG_0896
#KarolinenGasse #paracegover A imagem mostra um prédio que mistura os estilo neoclássico e barroco (pelo menos acho que é isso, mas não sou especialista). As paredes são ornamentadas com pinturas e esculturas.
IMG_9833
#secession #Friedrichstraße #paracegover A imagem mostra o edifício sede do movimento Secessão, construído pelo arquiteto Joseph Maria Olbrich. O prédio é branco e todo ornamentado com motivos no estilo art-nouveau.
IMG_9851
#Majolikahaus #LinkeWienzeile #paracegover A imagem mostra como fazer alguém que gosta de arquitetura ter um ataque do coração: um prédio todo decorado com elementos art-nouveau, típico do movimento Secessão, nascido em Viena no final do século XIX. Essa edificação, construída pelo arquiteto Otto Wagner, é conhecida por Majolikahaus, ou casa de Majolika. O nome remete à Ilha de Mallorca, na Espanha, mas em italiano a palavra significa também faiança, a técnica de pintura em cerâmica esmaltada (a fachada é toda em cerâmica, por isso nunca perde a cor; basta lavá-la periodicamente) .
IMG_0910
#Secession #paracegover A imagem em preto e branco mostra um detalhe do piso do prédio do Movimento Secessão. Os arabescos, curvilíneos e simétricos, são no estilo art-nouveau. Do lado esquerdo aparecem meus sapatos.
IMG_0091
#Schikanedergasse #paracegover A imagem mostra um prédio barroco visto de baixo com o céu azul ao fundo. A fachada é amarela e os contornos das janelas altas, de um amarelo mais forte e dourado. O prédio abriga o Carlton Opera, o hotel em que nos hospedamos (***) e recomendamos.
IMG_0913
#Majolikahaus #LinkeWienzeile #paracegover A imagem mostra uma visão panorâmica dos prédios do arquiteto secessionista Otto Wagner: a Majovikahaus (esquerda, com a fachada florida). O prédio da direita não tem um nome específico, mas é do mesmo arquiteto e igualmente sensacional. É todo em branco com detalhes florais dourados.

2. ARTE

Bem, um lugar que deu origem a um movimento artístico tão importante como o da Secessão, não pode ser qualquer coisa. Liderado por Gustav Klimt, tudo começou por causa do choque de gerações, em 1861. Havia um órgão oficial, a Cooperativa dos Artistas de Artes Decorativas da Áustria que era muito respeitado (com aquele tanto de castelo e palácio no currículo; como não?), mas a turma de Klimt queria fazer algo novo. Como não conseguiu quebrar os rígidos padrões estéticos da cooperativa, fundou uma nova associação. Como dá para ver em algumas fotos acima, o prédio é lindo (mas completamente diferente dos palácios). Também não dá para esquecer que por aqui andaram Egon Schiele, o discípulo mais próximo de Klimt, e os músicos Amadeus Mozart, Franz Schubert e Johann Strauss, só para citar os mais conhecidos.

A gente vê arte por todo lugar nessa cidade, é só ter os olhos atentos.

IMG_9871
#KartnerStrasse #paracegover A imagem mostra um prédio comercial com lojas no térreo, mas as paredes do primeiro e segundo andares são decoradas com uma pintura barroca mostrando anjos, nobres e cavaleiros de armadura sob um céu azul e em frente a uma parede dourada. Em frente ao prédio há um calçadão com bancos com pessoas sentadas, guarda-sóis e uma árvore (do lado esquerdo).
IMG_0012
#Löwengasse #paracegover A imagem mostra uma rua em primeiro plano, em que os trilhos do tram passam no plano horizontal. Do lado esquerdo há um edifício de esquina cuja parte de baixo é pintado de amarelo vivo com faixas sinuosas alaranjadas. Do lado direito vê-se uma árvore frondosa.
IMG_0889
#DerKuss #BelvedereMuseum #paracegover A imagem mostra o quadro “O beijo”, de Gustav Klimt, onde um homem beija uma mulher. Ambos estão envoltos por um manto dourado. A sala é escura e o fundo é preto. Em primeiro plano pode-se ver pessoas em volta da guia, que está explicando a obra.
IMG_9825
#belvedere #paracegover A imagem mostra uma estátua de uma criatura mitológica, com cabeça e seios de mulher, asas de pássaro e corpo de um leão. Está instalada nos jardins do museu Belvedere.
IMG_0893
#belvedere #paracegover A imagem mostra o teto do átrio da palácio/museu Belvedere. O contorno é dourdo e no centro há uma obra ricamente colorida que mostra anhos e demônios lutando sob o céu azul.
IMG_0911
#magdalenenstraße #paracegover A imagem mostra uma rua de prédios mais recentes (porém mal cuidados). Do lado direito pode-se ver uma parede com uma grade pintura realista mostrando um homem pensativo de barca e boina segurando um aquário. Aos pés dele, um cachorro atento.

3. COMIDA

O mercado público da cidade, o Naschmarkt, é um convite aos sentidos (sinto falta de um mercado grande e variado assim aqui em Berlim; conheço todos os Markthallen, mas nenhum é tão completo). Não curtimos muito comida típica alemã, mas descobrimos um restaurante português (Lisboa Lounge) ali perto que é uma delícia. Comi um dos melhores polvos da minha vida por um preço bem acessível.

IMG_9848
#Nashmarkt #paracegover A imagem mostra uma banca de verduras e legumes dentro do mercado público. Pessoas caminham do lado direito.

4. DIVERSÃO E OUSADIA

Minha percepção foi de que os austríacos são normalmente muito bem humorados. A comunicação facilitou bastante (Viena é a segunda maior cidade com falantes da língua alemã; só perde para Berlim), mas deu para ver que eles sabem se divertir pelos cartazes, avisos e sorrisos. No Museum Quartier, onde tem um espelho d’água no pátio interno, há um aviso fofo para não alimentar os jacarés; as lixeiras são todas mortas de fome pedindo para as pessoas alimentá-las; todas as propagandas são assim, cheias de gracinhas. Sem falar que o parque de diversões Prater completou 250 anos em março desse ano, é mole? E a roda gigante, que funciona até hoje, é de 1897.

No campo ousadia na terra da Conchita Wurst, ninguém melhor que o arquiteto Friedensreich Hundertwasser para representar todo o atrevido bom humor dos austríacos. O sujeito, que devia ser um louco maravilhoso, autointitulava-se o “doutor dos prédios feios”. Bastava que pessoa que morasse em uma horrorosidade chamá-lo e ele ia correndo com sua equipe dar um jeito de colocar cor e diversão no local (o cara trabalhava na obra junto com os pedreiros). Hundertwasser fez até uma “lei dos direitos das janelas” onde o morador teria o direito de fazer intervenções por fora de sua janela até onde seu braço alcançasse para provar que ali morava um ser humano. Preciso dizer que se ele fosse vivo faria qualquer coisa para ser sua estagiária? O livro dele contando os causos é sensacional. Aguardem que vai ter resenha.

Untitled.001
#hundertwasserhaus #paracegover A imagem da esquerda mostra suas mulheres estudando um mapa sentadas na borda de um chafariz. Elas estão sob uma das fachadas do prédio chamado Hundertwasser, que tem um portal curvo cheio de espelhos colados. A imagem da direita mostra os fundos do prédio, todo colorido e coberto de hera.
IMG_9988
#hundertwasserhaus #paracegover A imagem mostra a fachada do prédio projetado pelo arquiteto Hundertwasser. Cada janela é diferentes, assim como cada pedaço é de uma cor. A superfície é toda irregular.
Untitled.002
#hundertwasserhaus #paracegover Mais uma vista do exótico e colorido prédio na esquerda. Na direita, a imagem mostra um leão de cimento fazendo selfie com a casa ao fundo.
IMG_9994
#hundertwasserhaus #paracegover A imagem mostra detalhes da fachada, com duas formas orgânicas, coloridas e com aplicações de espelhos e ladrilhos.
Untitled.003
#hundertwassermuseum #paracegover A imagem da esquerda mostra o prédio interno do museu que homenageia o arquiteto Hunderwasser (ele também projetou esse prédio). A imagem da direita mostra o portal do museu que fica na calçada dos fundos. Um pomba passeia calmamente sob o portal, na calçada.

5. AMOR, MUITO AMOR

O movimento GLBT, como toda cidade com alto nível cultural e artístico, vai super bem por aqui, obrigada. Passamos por vários bares bacanas e lugares coloridíssimos. Na semana anterior à Parada do Arco-Íris, todos os trams (bondes) andaram com uma bandeirinha colorida; os semáforos tinham duas pessoinhas com um coração entre elas, no lugar do tradicional bonequinho. Um amor.

Untitled.001
#straßenbahn #paracegover A imagem da esquerda mostra o detalhe do semáforo, com os dois bonequinhos de mãos dadas e um coração no meio. A imagem da direita mostra um ponto de tram com a ponta de um veículo chegando. Ele carrega a bandeira do arco-íris na dianteira. Na calçada, um casal caminha de mãos dadas.
IMG_0921
#Mühlgasse #paracegover A imagem mostra uma janela com a esquadria branca e vermelha. A parede tem as cores do arco-íris em uma faixa do lado esquerdo. O fundo é amarelo.

Bom, com o tanto de museus que essa cidade tem (são 182 cadastrados) e coisas lindas para ver, com certeza terei que voltar (ainda queremos ir à ópera, pois dessa vez não deu).  Então, para quem vai visitar (ou voltar), fica a dica: reserve o máximo de dias que puder para essa verdadeira experiência sensorial.

3 Respostas

  1. 19 junho 2016 at 6:23 pm

    Nas últimas duas vezes que eu viajei de férias fiz planos de publicar um relatório no meu site, com textos e imagens. Apesar de ter visto e aprendido coisas sensacionais, não consegui escrever os posts, porque estava muito esgotado ou porque não encontrei o tom para a publicação.
    Por isto fico ainda mais agradecido a Lígia por fazer isso por nós, depois de cada viagem. Porque eu sei o quanto é difícil.

    Quando estive em Berlin, em 2013, descobri uma coisa: tudo o que a Lígia escreve sobre a cidade é 100% correto e corresponde perfeitamente à realidade. Não tem exageros nem erros. Por isto, sempre que eu vejo posts como este aqui, eu sei que posso desfrutar de cada imagem e de cada informação, com a certeza de que é (quase) como se eu estivesse passeando pela cidade.
    Obrigado, Lígia, querida. Já estamos aguardando a próxima viagem.

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      4 julho 2016 at 10:39 pm

      Obrigada, meu amigo querido!
      Mas não pense que escapou, ainda no aguardo dos seus relatórios. Você foi a lugares que nunca visitei 🙂

  2. 20 junho 2016 at 3:22 am

    Nossa que lindo tudo. Já fui à Viena, mas vou ter que voltar! Adorei as fotos e o post. Beijos!

Deixe um comentário

* Todos os campos são necessários