Os originais

Ando lendo muitos livros bons e esse aqui não é exceção. “Originals: how non-conformists move the world” (tradução livre: “Originais: como os não conformistas mudam o mundo”), do Adam Grant, é excelente (inclusive o outro livro dele, “Give and Take” está na minha lista).

O volume tem oito partes e fala principalmente sobre o perfil e as práticas das pessoas inovadoras, mas vou destacar as que, para mim, mais surpreenderam por derrubar mitos que pareciam óbvios.

Sobre riscos

Por exemplo; no capítulo 1, onde ele fala da destruição criativa, achei que ia ler o de sempre: que empreendedores são pessoas com um nível de ousadia acima da média, que nascem com uma espécie de imunidade biológica ao risco, que são radicais e não têm medo de nada. Inclusive a palavra entrepeneur (empreendedor, em inglês), cunhada pelo economista Richard Cantillon, significa “aquele que carrega o risco, o portador do risco”.

Pois ele conta que um estudo conduzido por dois pesquisadores por mais de 12 anos com cerca de 5 mil empreendedores de todas as faixas etárias mostram justamente o contrário. Os mais bem sucedidos são bem avessos a riscos, acredita?

Continue reading “Os originais”

Homo Deus

No começo, a natureza era coisa mais importante do mundo, e a religião dominante era o animismo. Depois vieram os deuses externos (o Teísmo) como principal referência para as decisões. Agora, a figura mais importante da galáxia é o Homo Sapiens, com suas religiões humanistas. Onde é que vamos parar com isso (se é que vamos)?