Não podemos esperar mil anos!

Imagine que aparece uma agência de viagens oferecendo férias muito diferentes: três semanas no futuro mil anos à frente. Quem oferece o recurso é o pessoal do futuro, claro, pois eles querem estudar história e conversar com os “fósseis” de mil anos atrás.

Um sujeito  do nosso tempo vai todo empolgado, chega naquele cenário de filme de ficção científica com pessoas voando em patinetes entre edifícios espelhados. Mas já nos primeiro minutos, vai preso (ou algo equivalente a isso no futuro).

Em uma sala fria e com poucos móveis, um robô chamado Chron conversa com o sr. Saconava, o personagem em questão; um homem perfeitamente comum, desses que a gente vê aos montes pelas ruas. Presente está também uma moça incrivelmente linda aos olhos do tal homem.

O robô então informa ao nervoso turista o que está acontecendo. A moça o está acusando de tê-la bolinado, comportamento inadmissível nessa sociedade.

O homem vai ficando cada vez mais nervoso, até que é colocado numa espécie de aparelho onde ele se acalma e é impelido a falar a verdade. No começo, ele conta que foi atravessar a rua, não viu que a moça vinha de patinete e simplesmente esbarrou nela, causando uma queda corriqueira e sem nenhuma gravidade. Mas, sob influência da máquina, o sujeito admite: achou a garota tão linda que provocou a queda. Na confusão, aproveitou a oportunidade para passar a mão nela.

Conforme ele vai contando, a cena aparece numa espécie de vídeo em câmera lenta, com direito a zoom na mão nada boba. Agora, sim, a versão dele bate com a da moça.

O sr. Saconava não tem mais como negar o assédio, mas continua indignado e cheio de razão. Isso tudo é uma bobagem, não é motivo nenhum para ser preso. Onde já se viu? Ele é um turista, tem que ser bem tratado! Nem aconteceu nada sério! Vocês do futuro não têm mais o que fazer não?

Chron, o robô, se pudesse suspirar, o faria. Ele não pode perder de vista que há mil anos a cultura era muito diferente e as pessoas eram muito primitivas. Resolve a questão enviando o homem para a colônia de férias dos turistas do passado pelas três semanas contratadas.

O lugar foi projetado para ser um museu interativo de história, mas aos poucos foi a solução encontrada para retirar esses indivíduos do convívio civilizado, onde apresentavam riscos à população. O museu, ou melhor, a colônia, tem praias azul turquesa, coquetéis coloridos e bem decorados e as tais “loiras” que o homem tanto queria.

Ao final das férias, quando os amigos perguntam sobre a experiência, ele reclama que os pãezinhos no café da manhã nunca eram frescos.

Apesar da bizarrice da história, dá para reconhecer perfeitamente os personagens e suas reações, né? Inclusive um retrato muito bem acabado de boa parte dos turistas que a gente encontra rodando o mundo.

E se eu disser que esse relato é o resumo do primeiro conto do livro “Die große Reserve: Phantastische Geschichten aus einer utopischen Zeit”, de Wolfgang Kellner, publicado em 1981 na DDR (Deutsche Demokratische Republik, a antiga Alemanha Oriental)?

Vivemos num mundo com pessoas civilizadas sim, mas a maioria esmagadora dos homens, infelizmente, ainda é perfeitamente representada pelo sr. Saconava.

Por sorte vivo num país onde uma mulher pode entrar de biquíni no metrô que nenhum homem vai levantar os olhos (se alguém olhar de verdade, pode apostar que é um turista, provavelmente latino ou russo).  Aqui você consegue passar por uma obra de construção civil sem ouvir nenhuma gracinha ou ter a sensação de ser devorada com os olhos, seja lá o que estiver usando para cobrir (ou descobrir) o corpo. Inclusive, você pode tirar toda a roupa num parque e tomar sol sem ser importunada.

Sim, a vida civilizada e o respeito pelas mulheres não é ficção científica; existe e é perfeitamente possível.

E não, senhores Saconava, definitivamente não estamos dispostas a esperar mil anos por isso.

****

NOTA: É por isso que não consigo deixar de ler livros de papel; achei essa preciosidade € 1 no mercado de pulgas. O livro é lindo, tem capa dura e ilustrações!

Os estranhos métodos do dr. Irabu

Um psiquiatra destemido, que se comporta como uma criança inocente. E sempre, independente do paciente, insiste em ministrar injeções de vitaminas. No final das contas, ele até resolve os problemas dos pacientes, sim, mas para fim ficou faltando algo…

Criatura

Um thriller muito bom que reúne um médico psiquiatra inteligentíssimo, dois policiais espertos e uma mulher linda com um passado misterioso.

A imagem mostra as capas dos dois livros resenhados.

Dois crimes regionais

Duas histórias policiais bem diferentes, mas com uma coisa em comum: os comissários de polícia representam perfeitamente o cidadão típico de cada cidade alemã. O primeiro em Niederkaltenkirchen, um vilarejo perto de Munique e o segundo, no coração de Berlim. É a união perfeita entre uma boa história de crime e guia turístico para conhecer curiosidades e costumes de cada local.