Horas de foguetório

O reveillon aqui em Berlim tem umas coisas que nunca tinha visto em outros lugares: eita povo mais fanático por fogos! É claro que há algumas queimas de fogos oficiais, como a tradicional festa no Portão de Brandemburgo (mas tem que chegar lá no máximo umas 5 da tarde se quiser ver alguma coisa; nesse frio não anima) e no Gendarmenmarkt, mas o grosso do foguetório é disparado pelos moradores mesmo.

Olha, acho que tem gente que passa o ano todo comprando fogos para soltar, não é possível.

Para vocês verem como não estou mentindo, um sujeito se deu ao trabalho de colocar uma câmera no carro e passear pela cidade; são 13 minutos ininterruptos, dá quase para sentir o cheiro de pólvora.

Olha:

Episódio 7: Reichstag

Fiquei um tempo sem postar vídeos sobre Berlin por dois motivos: até a semana passada só choveu nessa terra, sendo que os dias eram muito curtos; ficava difícil de filmar e fotografar. Agora, que os dias estão mais longos e ensolarados, estou sem meu cinegrafista amador durante a semana (vamos ver se agora a coisa volta a engrenar).

O fato é que achei esse material sobre o Reichstag que foi filmado ainda no ano passado, mas eu ainda não tinha tido editado (vajei para o Brasil logo depois e acabei me esquecendo).

Esse é um dos passeios mais imperdíveis para quem vem a Berlin; vem comigo!

Mais um episódio: mercado de pulgas

Dessa vez vamos conhecer um pouco do fascínio que os alemães têm por feirinhas de coisas usadas chamados Flohmarkt (plural: flohmärkte) que significa, literalmente, mercado de pulgas.

Gente, tem de tudo mesmo, não é brincadeira não; se duvidar, até pulga adestrada a pessoa corre o risco de encontrar num lugar desses. Na cidade tem um montão dessas feiras, mas a mais famosa, bacana e divertida é a que acontece no Mauer Park, em Prenzlauerberg. Vem dar uma voltinha e ver como é que a coisa acontece.

Primeiro episódio: Wilmersdorf

Segue o primeiro episódio dos programinhas semanais sobre Berlin (pelo menos vou tentar manter a frequência, porque é divertido, mas dá uma trabalheira).

A tosquice faz parte, já que o orçamento da produção é zero, disponho apenas de câmeras fotográficas e não sou propriamente íntima do iMovie (software que estou usando para edição). Mas acho que dá para ter uma ideia e já tem material para vocês rirem um pouco.