Como podemos ser menos canalhas?

IMG_1335

Estou me controlando para não ler mais nada em português (meu pobre alemão suplica para que eu diminua o relacionamento com minha língua mãe e lhe dedique mais tempo), mas está difícil.

Da última vez que estive no Brasil, tive a sorte e o privilégio de assistir uma palestra do brilhante professor Clóvis de Barros. Feliz com essa aula tão inspiradora, não pude resistir quando, na volta, já no aeroporto, fui aliciada na livraria pelo “Somos todos canalhas: filosofia para uma sociedade em busca de valores”, cria dele com o também professor de filosofia Júlio Pompeu.

Como já dizia meu ídolo Oscar Wilde, “posso resistir a tudo, menos às tentações”. Então vamos lá…

O livro já começa com um formato interessante; inspirados em Platão, os dois professores dialogam sobre o conceito de valor. Um escreve um texto, outro complementa, o primeiro refuta, o segundo defende e assim vai. O objetivo não é nos fazer chegar a uma conclusão, mas, apresentadas as ideias de filósofos consagrados e os conceitos que eles tinham de valor, fazer-nos pensar para entender, afinal, qual é o nosso conceito pessoal de valor (que é subjetivo e diferente para cada pessoa).

Na primeira parte, os professores apresentam o início da ideia de valor: a importância ou exatidão de uma coisa em relação a uma referência. O grande desafio é encontrar essa tal referência como sendo o sinônimo de melhor (que também é um conceito relativo).

Eles começam apresentando o que os gregos pensavam a esse respeito: o valor de uma ação humana é resultado da comparação entre ela e a ideia de virtude, em que os principais parâmetros seriam a verdade, a beleza e o bem.

Eles falam também que os gregos acreditavam que uma coisa tinha valor, e, portanto, era justa (ou seja, ajustada às virtudes), quando cumpria sua função no cosmos. Para usar tal conceito, partia-se do princípio de que o cosmos era perfeito e que cada coisa que existia nele tinha uma função específica: cabia a cada coisa e a cada ser descobrir sua razão de existir e executá-la da melhor maneira possível. Um profissional excelente, sob esse ponto de vista, seria o equivalente a uma árvore que desabrocha a partir de uma semente e desenvolve todo o seu potencial.

Mas essa teoria também admite que há pessoas que nascem para ser mato e, então, todo o esforço para virar árvore contraria a natureza, veja só. Dessa forma, para os gregos, existiam seres humanos melhores e mais valorosos que outros. Essa medida era dada segundo a função que a natureza lhes atribuía concedendo-lhes talentos específicos.

E eis que chegamos à segunda parte, que fala de Cristo e dos filósofos modernos. Aí houve uma ruptura radical no conceito de valor, começando do princípio que todos os seres humanos teriam as mesmas possibilidades e potencialmente, o mesmo valor, mesmo que desigualmente desprovidos pela natureza de recursos e talentos.

Enquanto para os gregos, a superioridade viria da riqueza dos talentos naturais, para os cristãos, viria do emprego que se faz do livre arbítrio, ou seja, como cada um usa os recursos que a natureza lhe deu para agir de acordo com os ensinamentos do Criador.

O Júlio chama atenção para uma coisa interessante: convivemos hoje em dia com os dois critérios simultaneamente. Às pessoas que nos são próximas, julgamos o valor pelas suas atitudes. Àquelas que não conhecemos, usamos o critério mais genérico, a natureza (quando estigmatizamos grupos inteiros por suas características étnicas, por exemplo).

Bem, a discussão filosófica segue longe, cada vez mais interessante.

De tudo, o que mais me marcou foi a definição atualizada de ética. O gregos definiam esse termo como a vida boa e feliz, em conformidade com a natureza e a função que ela auferiu a cada coisa e a cada ser vivo.

Acontece que a teoria de valores do filósofo Stuart Mill, denominada consequencialista, diz que o valor da conduta humana não está na intenção de quem age, como acreditam os cristãos, mas na eventual felicidade que proporciona a todos por ela afetados.

Clóvis se baseia nela, de certa forma, para cunhar o conceito de ética adaptado aos dias de hoje: “ética é o emprego da inteligência coletiva para o aprimoramento da convivência”.

Antiética, portanto, é a pessoa que não pensa nos outros, que não tem capacidade de empatia, que prioriza seu bem-estar e vantagens pessoais em primeiro lugar. E, com isso, voltamos ao título do livro, “somos todos canalhas”, ou seja, todos temos momentos em que nos despimos de nossa capacidade de empatia e desprezamos a convivência, o coletivo. Em que pensamos mais no nosso conforto do que no impacto que os nossos hábitos causam ao planeta e aos outros seres humanos. Por isso, somos canalhas.

Ao reconhecer o fato depois da bela aula desses dois filósofos contemporâneos, fica a questão: se queremos uma convivência melhor (menos guerras, menos violência, menos poluição), como podemos trabalhar para ser pelo menos um pouco menos canalhas?

Temos que achar rápido essa resposta, o mundo está se desintegrando enquanto a gente discute…

7 Responses

  1. Avatar
    28 maio 2015 at 7:07 am

    A primeira coisa que eu fiz depois de ler o artigo foi encontrar uma livraria e fazer a encomenda. Esse é o tipo de reação que os textos da Lígia provocam. Eu já disse, ela tem de ser contratada por uma grande editora.
    Uma reclamação: Jesus! o que é aquele site da editora do livro — Casa das Palavras — parece que o objetivo deles é justamente fazer o leitor desistir da ideia. Um site confuso, mal construído e (o fundamental) simplesmente não funciona. Mesmo tendo feito o cadastro, não consegui comprar o livro ali, porque o sistema não encontrou meu cadastro, um minuto depois. Só não desisti de ler o livro porque a recomendação foi muito convincente.
    E consegui comprar o livro, em outro site. Estou garantido.

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      30 maio 2015 at 5:14 pm

      As editoras se superam; depois ninguém sabe porque não conseguem vender… 🙁

  2. Avatar
    28 maio 2015 at 8:53 am

    Ótimo artigo, Ligia! Bem filosófico esse conceito. Eu também gostaria de ler tal livro. Fico contente, pois você citou um dos meu pensadores favoritos – o John Stuart Mill. Já leu o ensaio dele sobre A Liberdade? Eu recomendo fortemente.

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      30 maio 2015 at 5:14 pm

      Ainda não li não, vou colocar na minha lista! Obrigada, linda <3

  3. Avatar
    Eliene
    Responder
    31 maio 2015 at 1:31 pm

    Oi, Ligia! Esse tema é muito instigante! De tanto pensar nele, minha solução foi: extinção da especie humana! rs Simples assim! Pensamos em ética, valor… mas no final, o que nos dirige é a questão da sobrevivência, como os demais animais, só que de um modo mais “sofisticado”. Queremos perpetuar não apenas a nossa espécie, mas nossas ideias, nosso corpo… E nesse caminho, diferentemente dos outros animais, depredamos tudo… Olha, só que interessante, ao se expressar no seu blog, a consequencia fática imediata no mundo foi: mais livros foram comprados. Isso parece algo bom. Ao menos não houve intenção em ninguém que comprou ou irá comprar, mas… será que é bom mesmo?! Uma pessoa mais sábia a mais na face da terra é algo bom?! Bom pra quem ou para o quê? Mais árvores derrubadas, mais água gasta, mais tinta poluindo o meio ambiente para confeccionar o livro… essa consequencia fática é boa, é justa, é coletivamente importante?
    E assim segue meu pensamento… nossos atos, os mais bem intencionados possíveis, sempre tem consequencia negativa para a coletividade. Até quando exercemos nossas mais básicas funções causamos consequencias negativas não intencionalmente desejadas.
    Não sei o que deu errado, entre todos os animais que lutam para sobreviver, nenhum faz tanto estrago como nós fazemos. Talvez a nossa tão aclamada inteligencia, no fundo, não seja tão boa assim….
    Abraços, fatalistas.!

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      1 junho 2015 at 6:09 am

      Oi, Eliene!
      Entendo seu pensamento fatalista perfeitamente, pode acreditar. Minha visão é que o ser humano não faz tão mal ao planeta; o problema é o excesso (como tudo na vida, aliás). Tem gente demais no mundo e não paramos de nos reproduzir, esse é o problema. Enquanto a gente consumia os recursos do planeta em uma proporção em que ele conseguia se recuperar, não era tão dramática a situação. O problema, acredito, é que há gente demais na Terra. Se as pessoas fossem mais conscientes e tivessem menos filhos, ajudaria pelo menos a estabilizar. Eu estou fazendo a minha parte, não tenho nenhum…rsrsrs

      • Avatar
        Eliene
        3 junho 2015 at 9:01 am

        Sim, Ligia, os excessos… Não paramos de nos reproduzir e nossas crias antes mesmo de nascerem já causam dano (roupinhas, fraldas, berço, leite industrializado, médicos, exames etc)… Nem a função básica da reprodução é livre dos excessos. E olha que temos meios de inibir essa função! O estranho é que os índios não usavam anticoncepcionais, todavia não se reproduziam tão desenfreadamente…
        Eu adquiri esse pensamento só após a maternidade. Hoje, se fosse possível, embrulharia meu filho e o colocaria de novo na barriga. É fantástico estar com ele, mas do jeito que o mundo está cheio, deveríamos mesmo parar de enchê-lo mais ainda… Se pensássemos mesmo no melhor para nossos filhos, não os teríamos. Se não conseguimos pensar coletivamente em não ter filhos para não piorar a situação do mundo, ao menos que pensássemos que esse mundo não está bom para colocar alguém que amamos.
        Desculpe o pessimismo. Seu blog é tão alto astral… Mas, moro no Rio de Janeiro e, se vc tem acompanhado as notícias, tá difícil ser otimista ultimamente…
        Abraços,

Leave A Reply

* All fields are required