Monsieur Ibrahim

Lá fui eu devorar mais um livrinho da coleção mais caprichada do mundo.

Gente, como não amar uma série de livros de bolso encadernados com tecido brilhante e fitinha de seda para marcar? Como boa malandra recém alfabetizada, estou escolhendo os mais magrinhos, mas minha meta é devorar todos eles, sem dó nem piedade!

A história da vez é “Monsieur Ibrahim und die Blumen des Koran” (algo como “Seu Ibrahim e as flores do Corão“) contada por um autor francês, Eric-Emmanuel Schmitt (estou preferindo livros traduzidos, pois os alemães “da gema” têm um jeito muito complicado de pensar que se reflete na escrita).

O romance conta a história de Moses, um menino que vive sozinho com o pai depressivo (a mãe abandonou ambos quando ele ainda era neném), que ignora completamente a existência do filho. Moses é esperto, mas compreensivelmente carente e inseguro.

Em suas andanças, acaba ficando amigo de um árabe muçulmano que tem uma quitanda no bairro. A amizade deles é cheia de casos engraçados, mas com sacadas bem bacanas.

Seu Ibrahim ensina várias coisas para o menino baseado no Corão, que ele interpreta e adapta segundo sua conveniência e bom senso. A primeira coisa que o menino aprendeu é que sorrir não é um luxo só para ricos, como pensava; é a chave para abrir o coração das pessoas. Moses vira puro charme e muda quase tudo à sua volta só com esse gesto simples.

Tem uma passagem bem interessante sobre o lixo (eles fazem uma longa viagem juntos). Seu Ibrahim fala que se você passa por um lugar e não há nem latão e nem lixo espalhado, é porque as pessoas que moram lá são muito ricas. Se tiver somente latões, mas nenhum lixo, as pessoas não são ricas nem pobres. Se tiver lixo, mas nenhum latão, as pessoas são pobres. E se as pessoas estiverem no meio do lixo, aí são miseráveis. Se a gente prestar atenção, é bem verdade. Interessante abordagem, né?

Outra do Seu Ibrahim, disparada quando Moses, que está dirigindo, tenta pegar uma auto-estrada: “as auto-estradas dizem ‘vá em frente, aqui não tem nada para ver’. Elas são para idiotas, que querem ir o mais rápido possível de um ponto ao outro. Nós não estamos fazendo geometria, estamos viajando…“. Essa eu ADOREI, por motivos motociclísticos…eheheh

Ele ainda fala sobre a dança: “Quando você dança, seu coração canta como se fosse uma ave querendo se unir a Deus“. E ensinou uma dança circular praticada pelos muçulmanos no Kette, um tipo de mosteiro. Moses se entrega ao ritual e consegue se livrar de todas as mágoas que estava guardando dentro de si. De fato, a dança liberta e faz a gente se sentir mais leve (pelo menos no meu caso). Se em vez xingar no Twitter as pessoas dançassem mais…

Não é lindo?

E ainda descobri que tem também em português, para quem tiver interesse em passear com o seu Ibrahim. Recomendo demais!

3 Responses

  1. Avatar
    Clotilde♥Fascioni
    Responder
    24 agosto 2012 at 6:51 pm

    Legal conhecer o seu Ibrahin, ele é um filósofo. Bjs♥

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      25 agosto 2012 at 7:54 am

      É mesmo, Clô! Na verdade, o autor estudou filosofia em Paris. Aí, nada mais me surpreende, né?
      Beijinhos 🙂

  2. Avatar
    Anderson de oliveira
    Responder
    20 janeiro 2013 at 10:09 am

    OLÁ MENINAS olha se eu não mi engano esse caso virou filme e acho que é isso msm é um conto no final o guri vira dono do mercadinho e ele termina com ele vendo um outro garoto repeti a mesma coisa que ele no começo do filme acho que ele vira benn afem
    desculpem não sei escrever em inglês

Leave A Reply

* All fields are required