Nova tendência: buraco asfaltado

Buraco residente na rua Bocaiúva

Quando eu pensava que já tinha visto tudo a respeito de incompetência administrativa e operacional em cidades, aparece um buraco asfaltado bem na minha rua. Sério, gente. Quando nasce uma depressão no asfalto, até hoje a prefeitura podia fazer duas coisas: 1) ignorar o buraco, como se ela nada tivesse a ver com isso; 2) tapá-lo (ou pelo menos fingir que faz isso), mesmo que seja mal e porcamente como é do feitio de nossas administrações municipais.

Há estradas naturalmente bem maltratadas, como a BR-101, que passa por Florianópolis, por exemplo. Reza a lenda que os buracos são tão grandes e tão numerosos, que eles precisam ficar esperando no acostamento a sua vez de entrar na pista.

Não é o caso da minha rua, onde a maioria das covas são oficiais e autorizadas (aquelas tampas de metal que estragam pneus e fazem carros rebaixados arrastarem a barriga no chão).

Mas agora, já aprendi. Remendos no asfalto e crateras assassinas são coisas do passado; o prefeito, sujeito moderno e antenado que é, decidiu inovar: asfaltou o buraco. Eu sei que você não está entendendo nada, mas deve ser porque a sua cidade não deve ser tão vanguardista como a minha. Compreendo perfeitamente, afinal, até bem pouco tempo atrás, eu nem sabia que isso era possível (não acredito que essa tecnologia já tenha chegado ao primeiro mundo).

Vou explicar: eles pegam o buraco e passam uma camada de asfalto bem fininha, mas respeitando o, digamos assim, contorno natural da concavidade. Então, o afundamento na rua continua, mas não aumenta. Fica ali, conservadinho, como se tivessem passado uma tinta preta para preservar o trabalho que os caminhões e a chuva caprichosamente construíram.

É isso aí, galera: tapar buracos é coisa do passado. Vamos respeitar os afundamentos, as panelas, as crateras, os “acidentes trânsito-geográficos”, as rachaduras, as concavidades, as rupturas, os vazios, as descontinuidades do caminho. Vai ver, descobriram que deve ser mais social ou ecológico, sei lá.

Podem me julgar e me chamar de elite branca. Mas olha, não gostei da novidade.

2 Responses

  1. Avatar
    19 março 2011 at 11:40 pm

    É uma vergonha mesmo e pensar que pagamos os mais impostos do que outros países do mundo, depois ainda temos que pagar a oficina mecânica para consertar o carro.

  2. Avatar
    25 março 2011 at 11:07 am

    Nossa…aqui em Curitiba ainda não chegou essa “tecnologia”, haha. Mas é terrível, tem uma rua aqui perto da minha casa que não tem mais onde remendar, não tem uma parte lisa…isso que é super longa, passam ônibus de diversas linhas e muitos carros.

    ABSURDO!

* All fields are required