top 10 de abril: só tem Milão!

Só passei uma das quatro semanas de abril em Milão; mas foi o que bastou para que fossem de lá as fotos mais curtidas do mês. Não é para menos: somente dias lindos, ensolarados e cheios de interessâncias. Vem comigo passear por essa linda cidade italiana e escolher sua foto preferida!

#paracegover Descrição para deficientes visuais: a imagem mostra um mural com três figuras magras e cheais de mãos. Elas parecem assustadas. Há uma pessoa passando pela rua e parece que o trio está surpreso em vê-la. A foto está em preto e branco para destacar as formas.
1. Adorei o mural com essas figuras exóticas que divulgam um espetáculo. #paracegover Descrição para deficientes visuais: a imagem mostra um mural com três figuras magras e cheais de mãos. Elas parecem assustadas. Há uma pessoa passando pela rua e parece que o trio está surpreso em vê-la. A foto está em preto e branco para destacar as formas.

Continue reading “top 10 de abril: só tem Milão!”

Cooperativas 4.0

Uma das coisas que mais gostava no trabalho de engenheira de aplicação na área de robótica era que cada projeto era um assunto novo que eu precisava aprender. Para automatizar uma máquina de recapeava pneus de avião, aprendi muita coisa sobre bandas de rodagem, pneus e aviação (sabia que os pneus gastam muito mais na decolagem do que no pouso?). Para automatizar o corte de vidros que preenchiam as janelas dos carros, aprendi também muito sobre esse processo (sabia que nessa época, anos 90 do século passado, os moldes eram feitos de madeira?).

Depois fui para a consultoria e aprendi muito sobre cada tipo de negócio. A coisa é divertida mesmo e nunca acaba: como palestrante e facilitadora de cursos in company, também preciso estudar muito para customizar o conteúdo. Como minhas palestras e cursos são informativos, tenho que adaptar os exemplos e as ênfases de cada tema ao perfil profissional de cada plateia. Isso é bom para tudo mundo: para mim, que não fico repetindo a mesma história como um papagaio, e para os participantes, que conseguem ver alguma aplicação prática do conteúdo.

Continue reading “Cooperativas 4.0”

Esse tal de Fuorisalone

A Apex usou um espaço grande e maravilhoso para mostrar o design brasileiro. Só achei que as legendas das peças tinham poucas informações (somente o nome e o autor; nada mais escrito). Mas a curadoria e a apresentação estavam belíssimas!

Os últimos dias foram puro banquete para os olhos! Graças ao convite dos queridos amigos empreendedores Angela e Roberto Langer, da Langer Naturholzmöbel GmbH, para quem tive a honra de fazer a marca gráfica, pude visitar Milão pela primeira vez. E, olha, foi um delírio!

Aproveitei a oportunidade para conhecer pessoalmente a queridíssima Fah Maioli, coolhunter profissional, cujo livro, Manual do Coolhunter: métodos e práticas, já resenhei aqui. A Fah mora em Milão e é a simpatia em pessoa. Ela me incluiu num grupo de italianos (io capisco abastanza, ma no parlo niente…rs) e mostrou o caminho das pedras logo no dia da chegada. A linda selecionou algumas das principais atrações do Fuorisalone e nos levou para conhecê-las, sempre enfatizando os aspectos sensoriais que deviam ser observados para detectar tendências. A Fah não apenas acompanha e orienta grupos durante o evento, como também ministra workshops o ano todo na cidade e na Côte D’azur, principalmente para foodlovers; vale muito a pena ir lá no site da moça dar uma olhada no monte de coisa bacana que ela oferece!

Eu e a Fah Maioli felizes com o encontro no meio de tanta coisa linda! Estou usando o primeiro protótipo da saia que vou começar a vender no site do Studio Ligia Fascioni. Mas ainda tem bastante trabalho; estamos testando tecidos, modelagens, forro, etiquetas e mais um monte de coisas. Logo dou mais notícias!

Mas e esse tal de Fuorisalone, o que é exatamente? Eu tinha uma ideia vaga que misturava a Feira do Móvel em Milão, mas não tinha noção do tamanho da coisa, pois ninguém tinha desenhado para mim. Continue reading “Esse tal de Fuorisalone”

Amostra grátis de Luxemburgo

Luxemburgo é o único país do mundo que é um Grão-Ducado; isso significa que a monarquia lá não é regida por um rei, mas por um Grão-Duque (não entendo de nobreza, mas deve ser um título igualmente importante). O país inteiro tem apenas 500 mil habitantes, sendo a maioria deles residentes na capital, que também se chama Luxemburgo.

Infelizmente só tivemos um dia frio e nublado para passar nessa cidade linda, o que significa que teremos que voltar. É muita coisa para ver; a geografia do lugar é realmente especial e a cidade fica entre cadeias de montes com partes altas e baixas. As casamatas são túneis escavados diretamente na pedra que serviam para proteger a cidade dos ataques na época das guerras.

As construções são belíssimas, o charme é onipresente, a história está em todo lugar.

Fico devendo um texto mais completo quando voltar (o que certamente vai acontecer). Por enquanto, fiquem com a amostra grátis para dar um gostinho…

Vista de dentro de uma das várias casamatas espalhadas pela cidade.

Continue reading “Amostra grátis de Luxemburgo”

Uma voltinha em Estrasburgo

Fui passar a Páscoa em Saarbrücken para ficar com o Conrado, que está trabalhando lá temporariamente numa consultoria. Como fica pertinho da fronteira com a França, decidimos visitar a região em volta. Por conta do pouquíssimo tempo (só um final de semana), acabamos elegendo duas cidades praticamente equidistantes cerca de 130 km de Saarbrücken: Estrasburgo e Luxemburgo.

Pesquisei um pouco a respeito como sempre faço, mas, sério, não estava preparada para o que vi. Pior: não façam como eu que passei só um mísero dia lá. Reservem mais tempo (pelo menos uns três dias) para explorar melhor aquela belezinha.

Continue reading “Uma voltinha em Estrasburgo”

Top 10 de março: pitadas de França

No finalzinho do mês fui até Saarbrücken, perto da fronteira com a França, para passar a Páscoa junto do meu amor, que está trabalhando lá numa consultoria até o final de abril. Foram pouquíssimos dias, mas valeu demais, mesmo com tudo nublado. Depois tem post especial para Strasburgo e Luxemburgo, mas por ora, vamos ver a seleção das 10 fotos minhas mais curtidas em março.

Prontos? Vamos lá então!

#paracegover Descrição para deficientes visuais: a imagem mostra ima gárgula espreitando as pessoas que passam na calçada. O clima é de suspense... — at Uhlandstraße.
1. Adoro gárgulas, principalmente se estão inseridas no cenário do dia-a-dia. Dá um certo ar de mistério… #paracegover Descrição para deficientes visuais: a imagem mostra ima gárgula espreitando as pessoas que passam na calçada. O clima é de suspense… — at Uhlandstraße.

Continue reading “Top 10 de março: pitadas de França”

A escultora

Já tinha gostado de outro livro da premiada autora britânica Minette Walters (veja aqui), por isso não titubeei quando vi “Die Bildhauerin” (tradução livre: “A escultora”) no mercado de pulgas. Olha, não me arrependi; essa autora é muito boa mesmo.

O romance conta a história de Olive Martin, uma moça com uma história de família bem complicada que está presa por ter matado a mãe e a irmã e depois cortá-las em pedaços a machadadas. Rosalind Leigh, uma escritora que está passando por um bloqueio criativo, recebe a sugestão de sua agente literária de contar essa história a fundo. Continue reading “A escultora”

A arte de viajar com arte

A Laura Ammann e o João Rizek são dois amigos queridos que estão lançando um serviço sensacional chamado ARTSY Travellers: eles acompanham você pelos museus de Berlim e Potsdam mostrando os acervos e contextualizando tudo o que você vai ver.

Se você gosta de arte, mas não entende muito, não se preocupe: eles fazem uma entrevista para descobrir quais os museus você acharia mais interessante e que tenham mais a ver com seu perfil. E olha, precisa mesmo, pois são nada menos que 175 opções, sem falar nas inúmeras galerias de arte. Aí eles montam um roteiro especial considerando o que você gostaria de ver, o tempo e o orçamento disponíveis, usando a linguagem mais próxima à sua realidade. Continue reading “A arte de viajar com arte”

Wandelism

Não, você não leu errado. Não é vandalismo, é Wandelism mesmo. Uma brincadeira com a palavra Wand (parede, em alemão), já que a exposição é de street art, considerada por muitos como vandalismo.

Estou adorando que o negócio está virando moda aqui em Berlim; depois do sucesso estrondoso da The Haus (saiba mais aqui), agora o mesmo grupo ocupou uma antiga concessionária de veículos prestes a ser derrubada para usar como galeria temporária de street art. Uma delícia de moda, tomara que pegue no mundo inteiro.

Ao contrário do evento anterior, que ficou aberto um mês inteiro para visitação antes da demolição e não se podia fotografar, o Wandelism dura só uma semana (de 17 a 24 de março de 2018) e pode tirar fotos à vontade. O prédio da concesssionária tem 2 mil m² divididos em 15 salas, dois grandes halls e um porão. Mais de 70 artistas voluntários trabalharam sem nenhum orçamento e doando seu próprio material; os organizadores simplesmente ofereceram o espaço (eles ficaram sabendo da disponibilidade do espaço há algumas semanas e quase não tiveram tempo de ir atrás de patrocínio) e tanto veteranos como principiantes puderam participar.

Continue reading “Wandelism”

Yes is more!

Quem gosta de arte e design, como eu, geralmente também tem fascínio por arquitetura. Penso que construções nada mais são do peças de arte e design, só que em escala ampliada. Por isso, quando minha querida amiga arquiteta Ana Rampim recomendou o episódio sobre arquitetura da série Abstract da Netflix, fui toda feliz assistir. E valeu demais.

A ponto de acabar o vídeo e ir correndo à livraria da Taschen aqui em Berlim para comprar “Yes is more: ein Archicomic zur Evolution der Architektur” (Tradução livre: “Sim é mais: uma história em quadrinhos da evolução da arquitetura), do arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels. Consegui o último volume disponível em alemão e, olha, a leitura é só felicidade!

O livro em si é muito original, pois a equipe do próprio escritório de Bjarke fez o projeto gráfico e todo o conteúdo, sob orientação desse rapaz incrivelmente jovem e talentoso.

As primeiras páginas explicam o título. O texto começa citando a famosa frase do arquiteto-mito Ludwig Mies Van der Rohe divulgada em meados do século XX, em que ele diz “Less is more” (Tradução livre: “menos é mais”). Adepto do minimalismo, o modernista acreditava na pureza das formas limpas e sem excessos. Continue reading “Yes is more!”