Vamos falar de trabalho?

Imagem: Alexei Lyapunov & Lena Ehrlich

Esse é meu ano sabático, em que parei de trabalhar para aprender alemão; mas em 2013 (se o mundo não acabar antes), volto ao batente, dessa vez aqui em Berlin.

Ora, mas todo o trabalho que desenvolvi no Brasil está calcado no domínio da língua portuguesa (consultorias, livros, palestras, cursos, etc); vou ter que dar um nó no cérebro para me reinventar novamente e descobrir como posso fazer alguma coisa interessante e lucrativa desse lado do oceano. Talvez volte a ser engenheira; talvez trabalhe com inovação; talvez até colabore com alguma empresa que queira atuar no Brasil, sei lá. A ideia inicial era fazer um pós-doutorado, mas não sei se tenho mais paciência com o mundo acadêmico; isso não está descartado, mas agora quero trabalhar.

O frio na barriga está grande, mas sei que não estou sozinha. Descobri isso na estante de uma livraria, nas páginas de “How to find fulfilling work”, de Roman Krznaric. No início, o livro nem me chamou muito atenção, pois faz parte da coleção “The school of life”, expressão com a qual não simpatizo nem um pouco. Talvez porque no Brasil as pessoas tenham o hábito de usar “a escola da vida” como substituta da escola formal, como se elas fossem mutuamente exclusivas; como se quem está vivo não frequentasse obrigatoriamente a tal da “escola da vida” independente de sua vontade (então, que mérito há?).

Pois é, fiz um esforço para vencer o preconceito e vi que o editor da série é o Alain de Botton, um filósofo suíço que gosto muito (já conversamos sobre esse moço: veja aqui e aqui). Aí fiquei mais confiante, mergulhei nas páginas e não me arrependi.

Roman Krznaric começa explicando que o desejo de um trabalho gratificante, que nos proporcione um senso de propósito, reflita nossos valores, paixões e personalidade, é uma invenção recente. O autor diz que existem duas novas aflições no mercado de trabalho sem precedentes na história: uma é a praga da insatisfação com o trabalho; a outra é uma epidemia de incerteza sobre qual carreira seguir (é verdade, recebo e-mails quase que diariamente de pessoas em crise profissional).

Ele apresenta pesquisas que mostram que metade da força de trabalho no ocidente está insatisfeita com sua situação profissional. Cerca de 60% dos trabalhadores escolheriam mudar de carreira se pudessem começar novamente. O trabalho de uma vida, aquele em que a pessoa começava e se aposentava na mesma empresa, virou relíquia do século XX; agora os contratos estão mais curtos e as pessoas mais ansiosas.

Roman nos conta ainda que a valorização do trabalho começou no renascimento, quando os valores de conformismo da igreja foram desafiados e as pessoas ficaram mais individualistas; são dessa época as autobiografias, os selos pessoais em cartas, os diários íntimos, os auto-retratos. Se o trabalho faz parte da vida, então ele também deve traduzir a pessoa, suas crenças pessoais e valores.

A coisa teve um impulso maior depois da revolução industrial e explodiu depois da segunda guerra, com a invenção de carreiras nunca antes imaginadas. O problema (e a solução) é justamente esse: nunca houve tantas opções para se escolher. E quanto mais liberdade, mais duro é, pois não estamos equipados psicologicamente para lidar com essa infinidade de alternativas; elas estão além de nossa capacidade cognitiva. Segundo o psicólogo Barry Schwarz, a partir de um certo ponto, não conseguimos mais lidar com a diversidade de opções e elas passam a nos tiranizar a ponto de nos deixar paralisados. Quanto mais opções são dadas a alguém, mais tempo esse alguém demora a decidir e ainda assim nunca tem certeza se a outra alternativa era melhor.

Uma coisa muito perigosa que o autor cita são os testes vocacionais; ele relata casos realmente absurdos e a origem dessas ferramentas pseudo-científicas que mais confundem do que ajudam.

Krznaric diz ainda que há três aspectos fundamentais para que a pessoa possa considerar seu trabalho gratificante: significado, fluxo e liberdade.

Sobre o significado, ele aparece sob 5 formas: ganhar dinheiro, obter status, fazer diferença, seguir nossas paixões e usar nossos talentos. Os dois primeiros são conhecidos como fatores motivacionais extrínsecos, isto é, vêm de fora. Nesse caso, o trabalho é um meio para se chegar até eles. Já os outros três são intrínsecos, onde o trabalho é um fim em si mesmo.

Roman diz que combinar dinheiro e valores nunca é simples (sobre isso vou falar numa próxima ocasião); mais fácil é combinar talentos e valores. Quando as necessidades do mundo encontram nossos talentos, aí podemos desenvolver nossa vocação (atente bem para isso: vocações são desenvolvidas, não descobertas). E aí, onde é que seus talentos encontram-se com as necessidades do mundo?

Há também uma discussão sobre a cultura de que, para explorar melhor nossos talentos, o ideal é que a pessoa se especialize. Mas isso não leva em consideração que a gente pode ser muitos ao mesmo tempo; dificilmente alguém tem um talento só. Sobre isso, existem duas abordagens clássicas: o generalista renascentista, que consegue levar várias carreiras simultaneamente (ex: Woody Allen, assim como Luís Fernando Veríssimo, toca profissionalmente numa banda de jazz) ou o especialista serial, que vai mudando de profissão, mas exerce apenas uma de cada vez (acho que sou a combinação das duas abordagens). Ele dá vários exemplos de profissionais, incluindo uma engenheira da Nasa que virou urbanista e diz que o mundo tem coisas interessantes demais para que a gente tenha que escolher apenas uma para a vida toda.

Enfim, para quem está num período de questionamentos e transição profissional, ou mesmo só para quem quer refletir a respeito, recomendo fortemente.

Roman sugere alguns exercícios que podemos fazer para avaliar nossas possibilidades profissional e aumentar o auto-conhecimento; vou compartilhar alguns bem interessantes na próxima coluna, aguardem.

Agora, voltemos ao trabalho.

12 Responses

  1. Gustavo
    Responder
    21 agosto 2012 at 4:21 pm

    ótimo!

    ri muito quando vc disse “recebo e-mails quase que diariamente de pessoas em crise profissional”, justamente porque estou passando por isso também e talvez lhe escreva nos próximos dias hehehe

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      22 agosto 2012 at 2:43 am

      Aiaiaiaiaaiiiii…. ehehehehe

  2. tais tozatti
    Responder
    21 agosto 2012 at 6:23 pm

    Depois que conheci você e o Tio Flávio, cada dia que passa eu adquiro mais conhecimento!
    Isso é muito bom, obrigada!

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      22 agosto 2012 at 2:43 am

      Obrigada, Tais! O tio Flávio é um querido, manda um beijão para esse fofo!

  3. Clotilde♥Fascioni
    Responder
    21 agosto 2012 at 8:25 pm

    ♥♥♥♥

  4. 21 agosto 2012 at 10:08 pm

    Adorei o texto, mexeu comigo. Muito bom. Estou exatamente nesta fase., 51 anos, fui sócia e diretora administrativo financeiro de uma pequena empresa de TI por 16 anos. Passei pelo período de não competição e agora preciso recomeçar. Antigamente uma pessoa com 51 anos ficava contando os dias para a aposentadoria. Hoje em dia a expectativa de vida das pessoas é de 76 anos ou mais. Portanto eu ainda tenho uns 25 anos para me divertir numa nova profissão, ou várias outras frentes de trabalho. Quem sabe? Sou só uma menina recomeçando…

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      22 agosto 2012 at 2:42 am

      Aahahah… somos duas então, Heloiza! na verdade, acho que somos milhares 🙂
      Beijocas e boa sorte!

  5. 22 agosto 2012 at 2:24 pm

    Tô adorando teu blog, que descobri nem sei como…Os assuntos são ótimos e você escreve muito bem. Venho quase todos os dias! Sou blogger também, e moro nos EUA. Muito bom esse post sobre trabalho; eu já fiz várias coisas diferentes na minha longa vida (tenho 55) e agora voltei a estudar. Tô estudando história, que foi o meu segundo amor na vida – o primeiro foi e ainda é literatura. Mas não sou escritora. Me formei em história na USP lá pelos 70, deixei de lado e agora voltei. Ô vida estranha, né? Visita meu blog e me diz o que você acha? Um abraço do calor tropical de Miami!

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      24 agosto 2012 at 1:38 pm

      Clarissa, amei o seu blog e já virei freguesa! Adorei seu jeito de escrever e suas experiências. Eu também gostaria muito de estudar história (literatura idem). O problema é que já tenho planos para as próximas 5 encarnações; estou quase entrando na sexta….ahahahaha

      Beijocas e bem-vinda 🙂

Leave A Reply

* All fields are required