Você é normal?

eliefti-1655352503_c6d471ed32

Pode ser coincidência, mas só essa semana ouvi a mesma frase de três pessoas diferentes em contextos distintos: “Ah, mas está errado, isso não é coisa de gente normal!”. Pois aí está uma boa questão: o que é ser normal?

Bom, segundo os dicionários, normal é o que segue uma norma ou regra. Também se usa para qualificar algo que é comum, usual, de praxe.

Na estatística, normal é aquela curva em forma de sino onde a maioria esmagadora dos resultados mais freqüentes encontrados em uma pesquisa ocupam toda a parte gordinha, e o restante (resultados menos freqüentes) fica apenas com as beiradas.

Mesmo tendo origens distintas, as duas definições convergem: normal é aquilo que é mais comum, freqüente, que reflete o comportamento da maioria. O problema é que algumas pessoas utilizam normal como sinônimo de CERTO e, portanto, quem não segue a maioria está errado. É claro, se a maioria das pessoas faz uma coisa, essa coisa só pode ser a certa, confere?

Pois é, até poderia ser se a gente se esquecer que já foi normal (e , portanto, para alguns, certo), comprar e vender seres humanos como escravos; queimar pessoas vivas só porque elas eram mulheres e não praticavam o catolicismo com o devido fervor; submeter pessoas a trabalhos forçados e matá-las em câmeras de gás só porque eram judias; incentivar a pedofilia (ou como poderia se chamar a prática de famílias que negociavam casamentos entre meninas de 12 ou 13 anos e velhos ricos?) e por aí vai. Esses comportamentos, que parecem horríveis, já foram amplamente aceitos pela sociedade e, inclusive, legalmente justificados. Normal e estritamente dentro das regras, portanto. Mas certo?

Penso que a gente deve tomar o maior cuidado com as palavras de maneira geral, e com a palavra normal particularmente. Só porque alguém não age como a maioria, não significa que esteja errado. Normal e certo não têm nenhuma relação entre si. Ser anormal não deveria ter esse sentido pejorativo que a gente conhece tão bem. Lembro de uma frase de Thoureau que marcou a minha adolescência e que dizia “se um homem não acerta o passo com seus companheiros, talvez seja porque escuta um tambor diferente”. O anormal é diferente, só isso.

Ainda bem que existem os anormais, pois são justamente aqueles que fazem diferença, fazem as coisas mudarem e o mundo evoluir. São os que questionam a validade e a pertinência das regras, que prezam a liberdade (sua e dos outros) e, principalmente, que incomodam os normais.

Não deviam, até porque o incomum Caetano já disse, com muita propriedade que, “de perto ninguém é normal”. Impossível caber inteirinho dentro de um sino.

*****

A propósito, por que será que a Farmácia Normal tem esse nome? E o antigo curso Normal que formava professoras?

Lígia Fascioni | www.ligiafascioni.com.br

5 Responses

  1. Avatar
    Clô♥
    Responder
    22 junho 2009 at 10:50 pm

    A Farmácia Normal não sei; mas talvez a Escola Normal, assim se chamasse porque ensinava e educava, e isso “era normal”… antigamente…♥

  2. Avatar
    22 junho 2009 at 10:57 pm

    Muito bom, Ligia, muito bom!
    beijo!

  3. Avatar
    23 junho 2009 at 8:37 am

    Me esforço pra não ser! Gente ‘normal’ é gente muito chata! E tem coisa pior que chatices e mesmices? E como diz Caetaninho… Mas tá errado:de perto quase todo mundo é!
    gostei,gostei!
    bj

  4. Avatar
    yumi
    Responder
    23 junho 2009 at 10:04 am

    e assim dizia o Dostoiévski – ou melhor, o Rodka…
    os homens se dividem em 2 categorias.. ordinários e extraordinários. os ordinários são obedientes e seguem as leis.
    os extraordinário são aqueles que infringem as leis, criando o ‘novo’.. os primeiros conservam o mundo como ele é.. e os outros movem o mundo para um objetivo..

  5. Avatar
    xtx
    Responder
    24 junho 2009 at 3:50 pm

    Um post Sensacional.
    Muito bem explicado e escrito.
    Parabens.

Leave A Reply

* All fields are required