Bendito caso: parte 2

Se você não leu ou não se lembra da parte 1, clique aqui para entender a história.

***

Nesse ponto da jornada, eu já tinha a identidade da empresa definida, suas características essenciais, e as diretivas principais para desenvolver a marca gráfica.

Gastei quase duas semanas rabiscando e tentando encontrar um conceito que sintetizasse o DNA da empresa e fugisse das borboletas óbvias e das mulherzinhas estilizadas. Por causa da ideia do retrô, até pensei numa pin-up; mas logo me dei conta de que poderia funcionar muito bem como apoio, jamais como marca principal. Isso porque a solução deveria contar com os seguintes atributos:

alta pregnância: é a capacidade de ter suas formas identificadas à primeira leitura em qualquer contexto. Sob esse ponto de vista, quanto mais limpa e mais simples, maior a pregnância.

legibilidade em modo reduzido: mesmo em tamanho pequeno, como num cartão de visitas, a marca gráfica precisa continuar sendo legível.

flexibilidade na aplicação: em algumas ocasiões, a marca gráfica precisará ser aplicada apenas em P&B, ou toda em preto, ou toda em branco. Em nenhum dos casos ela pode perder a capacidade de comunicar a ideia.

capacidade de ser vetorizada: transformar uma marca gráfica em vetores significa conseguir transformá-la em equações matemáticas. Por que isso é tão importante? Porque se tenho uma marca que é construída por meio de pixels, como uma fotografia, se eu precisar ampliá-la do tamanho de uma parede, vou ter que ter uma resolução muito alta para não perder informação, e sempre haverá um limite para ampliação que depende do número de pixels do arquivo original. Se a figura puder ser traduzida em figuras geométricas e equações matemáticas, não existe limite de tamanho nem para mais, nem para menos. É só mudar o fator de escala nas equações e sempre vai ficar exatamente igual ao original.

Bem, consegui chegar em dois conceitos que, a meu ver, cumpriam os requisitos básicos e traduziam bem a ideia a ser comunicada.

1. Espelho. A ideia do espelho veio com o estudo de formas retrô usadas como referência à cosmética. Pesquisei embalagens antigas e fui simplificando até chegar na moldura desenhada à mão (que traduz o trabalho manual e personalizado da esteticista, assim como o atendimento especial na loja, que seria quase uma consultoria em bem-estar). E o espelho, além disso, trata da auto-estima, do auto-conhecimento e da relação de cada pessoa consigo mesma. A proposta da Bendita Pele é justamente melhorar essa relação e torná-la mais agradável.

Com relação às cores, usei alguns tons como exemplo, mas não fazem parte da configuração original, que admite variações dentro de uma paleta determinada.

retro10 copy

 

Alguns exemplos de aplicação: cartão de visitas (frente e verso) e selo para embalagem.exemplos1

2. Anjo. O segundo conceito refere-se à palavra bendita, que também quer dizer abençoada. Como a questão do cuidado, da atenção, do bem-estar são muito fortes na identidade, pensei na ideia das asas de um anjo protetor. A Bendita Pele é traduzida aqui como o abençoado órgão do nosso corpo que nos protege e nos defende de todo o mal, assim como nos acolhe e nos permite que tenhamos boas sensações e prazer. Nesse caso, as asas do anjo são estilizadas e desenhadas igualmente à mão pelo mesmo motivo da alternativa anterior.

As cores também variam dentro da paleta e apresentei a solução com dois exemplos diferentes para mostrar a flexibilidade na aplicação que não compromete a identificação e o reconhecimento da marca.

retro13 copy

Aguns exemplos de aplicação: cartão de visitas (frente e verso) e selo para embalagem.

exemplo2

Ambas gostamos das duas soluções, mas a dúvida continuava: qual delas poderia traduzir melhor o DNA da Bendita Pele?

Eis que a Cássia me perguntou se poderia consultar amigos e clientes (eu não queria que ela divulgasse que era eu que estava fazendo o trabalho porque, como disse, não faço isso profissionalmente e nem ofereço esse serviço). Disse que ela poderia mostrar, claro, desde que explicasse o contexto: que eu não era profissional da área e estava, digamos, “quebrando um galho”.

Foi aí que ela foi fazer um curso e mostrou as duas opções para a iluminada Mari Guedes (o estúdio Leve Design, do qual ela é sócia, era uma das opções que eu havia recomendado inicialmente).

Para nossa surpresa, o Leve Design generosamente comprou a causa: decidiu entrar na brincadeira e também participar da construção da identidade visual do empreendimento.

Como a parte mais trabalhosa, que é a definição do conceito, já estava pronta, o trabalho consistia principalmente em aprimorar a parte gráfica e sintetizar as ideias. Além disso, era necessário trabalhar melhor a tipografia (como não trabalho com isso, usei as de uso público; profissionais têm no acervo outras mais adequadas, compradas para essa finalidade).

No próximo capítulo veremos como terminou a novela com final feliz! Clique aqui para ler a última parte.

2 Respostas

Deixe um comentário

* Todos os campos são necessários