Bola de luz

Como uma pessoa pode ser tão criativa, minha gente? Nunca me canso de me encantar com escritores, em especial os de ficção científica. 

O chinês Cixin Liu foi uma das maravilhosas descobertas nessa área; depois da trilogia iniciada com o “The three body problem”, fiquei curiosa para descobrir até onde vai a capacidade criativa desse moço.

No ótimo “Ball Lightning” (tradução livre e não literal: “Bola de luz”), ele desenvolve toda uma história fantástica a partir de um fenômeno físico ainda não explicado. 

Continue reading “Bola de luz”

Mantenha uma distância divertida!

Vai aqui de novo mais um exemplo dessa empresa que não cansa de surpreender, a BVG, transporte público de Berlim.

Minha personal ícone da propaganda, ela sempre usa o humor de um jeito muito especial!Agora tem, em algumas estações de metrô e de trem, adesivos no chão explicando para as pessoas qual é a distância segura para evitar a contaminação por Corona Vírus, mas usando unidades de medida que os berlinenses entendem…rs

Continue reading “Mantenha uma distância divertida!”

Flow

Flow, The psychology of optimal experience” (tradução livre: “Fluxo: a psicologia da ótima experiência“), de Mihaly Csikszentmihalyi, é uma belíssima surpresa. Resultado de décadas de pesquisa sobre os aspectos positivos da experiência humana, Mihaly chamou alegria, criatividade e o processo de total envolvimento com a vida de FLOW (eu prefiro usar o termo original, sei lá por que; acho que flui mais…rs).

O bacana é que o livro não é um manual de autoajuda com dicas para ser feliz, até porque, segundo o autor, isso é impossível, uma vez que uma vida feliz é uma criação individual e não pode ser copiada como uma receita.

O que ele faz é definir alguns princípios e dar alguns exemplos de como usar esses princípios para transformar uma vida chata e entediante em uma vivência cheia de alegria. 

Continue reading “Flow”

Os sonhadores

Eu já havia me encantado pela obra dessa autora quando li “The age of miracles“. Pois esses dias, quando fiz a versão em audio para o podcast “Minha estante colorida“, acabei fazendo uma revisão e descobrindo que ela havia lançado um novo título em 2019. Comprei, claro.

The dreamers” (Tradução livre: “Os sonhadores”), de Karen Thompson Walker, guarda alguma semelhança com a obra anterior, e talvez por isso eu tenha gostado tanto.

Continue reading “Os sonhadores”

Histórias de bastidores

Essa foto foi tirada pela queridíssima amiga Carla da Silva e agora vou revelar os segredos dos bastidores…rs

Era setembro do ano passado e fomos passar alguns dias em Copenhagen. Passagem comprada, tudo reservado quando aparece uma oportunidade de trabalho: ser mestre de cerimônias de um evento de inovação online no Brasil. Nunca tinha feito isso, mas como resistir à tentação?

Continue reading “Histórias de bastidores”

Cercada por idiotas

Você já reparou que nunca existiram tantos idiotas no mundo como agora? A gente está simplesmente cercado por esses seres que não conseguem entender como o mundo funciona. Tem coisa mais irritante?

Claro que não. Por isso Thomas Erikson escreveu “Surrounded by idiots: the four types of human behaviour and how to effectively communicate with each in business (and in life)” (tradução livre: “Cercado por idiotas: os 4 tipos de comportamento humano e como se comunicar efetivamente com cada um deles nos negócios (e na vida)”).

O autor começa definindo o conceito de idiota: todo mundo que não vê o mundo da mesma forma que a gente vê. Tapão, hein?

Continue reading “Cercada por idiotas”

Pense como um cientista de foguetes

Tem uma expressão inglês para quando gente quer dizer que uma coisa não é tão difícil; aí fala “ah, vá! Isso não é ciência de foguetes”.

É que ciência de foguetes é, de fato, uma coisa muito complicada. Só para resumir a ideia, segundo Tom Mueller, chefe de Propulsão da Space X, “Podem acontecer milhares de coisas quando você dá partida num foguete; e somente uma delas é boa”. 

Continue reading “Pense como um cientista de foguetes”

As aventuras de um tipo muito curioso

Até bem pouco atrás, confesso, nunca tinha ouvido falar de Richard Feynman. Mas antes tarde do que nunca; feliz em saber um pouco mais sobre essa figura única que habitou nosso planeta durante alguns anos. 

Feynman foi o ganhador do prêmio Nobel de Física em 1965 e, sob todos os pontos de vista, um gênio. Mas por que a vida de um físico teórico conhecido por sua contribuição em eletrodinâmica quântica, física das partículas, física da superfluidez e do hélio líquido, comportamento de partículas subatômicas e precursor da computação quântica haveria de ser interessante?

Continue reading “As aventuras de um tipo muito curioso”

A louca das bolinhas

Quem me conhece, sabe: não resisto a uma capa linda!

Pois visitando uma lojinha especializada em Comic Books (Modern Graphics, em Kreuzberg) encontrei essa maravilhosidade que é a biografia ilustrada da artista japonesa Yayoi Kusama, da ilustradora italiana Elisa Macelllari. A obra se chama “Kusama, eine Graphic Novel“.

A autora conta que ficou fascinada pela artista quando viu uma retrospectiva do trabalho dela em Madrid, em 2011. Desde então tem pesquisado a vida de Kusama, até que, em setembro desse ano, publicou o livro.

Continue reading “A louca das bolinhas”

o pensamento elástico

Já sou fã de Leonard Mlodinow há muito tempo. O primeiro livro que li dele, “O andar do bêbado” (resenha aqui), abriu-me várias portas na mente. Depois teve “A janela de Euclides” (resenha aqui) com tantas coisas curiosas quanto interessantes. Por isso, não me contive quando a Amazon me sugeriu “Elastic: unlocking your brain’s ability to embrace change”, sua mais recente obra.

Pois esse sujeito é tão brilhante que a cada vez se supera; com um texto fluido e fácil, ele explica coisas surpreendentes.

O QUE É 

Mlodinow explica que o pensamento elástico compreende uma série de talentos que revelam diferentes aspectos de um certo estilo cognitivo que nos ajuda muito. Ele cita alguns desses talentos (anota aí!): 

  • a capacidade de desapegar de ideias confortáveis; 
  • acostumar-se à ambiguidade e à contradição; 
  • a capacidade de levar ideias acima do senso comum e reformular questões; 
  • a habilidade de abandonar pressupostos arraigados e abrir a mente para novos modelos; 
  • a propensão em confiar na imaginação tanto quanto na lógica para gerar e integrar uma grande variedade de ideias; 
  • a boa-vontade em experimentar e ser tolerante aos erros.
Continue reading “o pensamento elástico”