Dicionário analógico

Fotografia: Marina Camargo

Sempre tive um carinho especial por dicionários. Apesar de eu ter sido a primeira pessoa da minha família a ter curso superior, sempre se leu muito lá em casa. A gente tinha um dicionário na cozinha, porque na hora do almoço era a única maneira de encerrar as discussões acaloradíssimas dos Fascioni (tutti buona genti…).

Adoro abrir um dicionário e ficar achando coisas, até me esquecer do que estava procurando. Em casa tenho vários, inclusive um grego-inglês e um russo-alemão que ganhei de um amigo austríaco do meu pai.

Pois na última vez em que estive em Sampa, naquele paraíso que é a Livraria Cultura do Conjunto Nacional, não pude resistir ao “Dicionário Analógico da Língua Portuguesa“, de Francisco Ferreira dos Santos. O analógico, no caso, não é em oposição ao digital; tem a ver com o fato da obra usar analogias e ideias relacionadas, em vez de trazer apenas o significado como os dicionários comuns.

Aliás, esse é um dicionário bem diferente dos outros, já que as palavras não estão por ordem alfabética. O conceito de um dicionário analógico, ou Thesaurus, foi criado por Peter Mark Roget em 1805. Ele parte do pressuposto que nos dicionários comuns a gente busca os significados de uma palavra que já conhece para entendê-la melhor e fazer uso correto dela.

Ao contrário, num Thesaurus, a gente já tem a noção do significado e do uso; só não nos ocorre uma palavra que se encaixaria direitinho no contexto. Então, olha só que moderno: o Thesaurus, a partir de possíveis significados, oferece uma nuvem de palavras relacionadas — são vocábulos análogos com maior ou menor grau de proximidade e exatidão. Assim a gente descobre um montão de coisas, inclusive, talvez, uma palavra que traduza bem o que a gente está querendo dizer.

Usar um Thesaurus não é tão intuitivo como um dicionário comum e requer um pouco de prática (ainda estou aprendendo).

Primeiro, as palavras são organizadas em 6 classes com suas respectivas divisões: relações abstratas (existência, relação, quantidade, ordem, número, tempo, mudança, causa), espaço (em geral, dimensões, forma, movimento), matéria (em geral, inorgânica, orgânica), entendimento (formação das ideias, comunicação das ideias), vontade (individual, com referência à sociedade) e afeições (em geral, pessoais, simpáticas, morais, religiosas). Depois, é apresentado um quadro sinóptico de categorias, onde se desdobra cada divisão para a pessoa se orientar quando for procurar uma palavra e suas ideias afins. Para quem é iniciante e está um pouco perdido, há um índice remissivo no final que ajuda bastante.

Em português, essa é a segunda edição da obra (a primeira foi há 60 anos) e não se conhece outro dicionário impresso de ideias afins no Brasil tão amplo e completo (há apenas trabalhos para áreas de conhecimento específicas).

A língua inglesa, que conta com muito mais bibliografia, já tem várias versões, inclusive uma muito interessante onde as palavras são apresentadas graficamente numa árvore de relações, muito parecido com um mapa mental (olha aqui).

Pois é, achei que vocês ficariam contentes com a dica.

Eu disse contentes? Na verdade, quis dizer prazenteiros, alegres, felizes, recontentes, satisfeitos, animosos, com o espírito desafogado, bem-dispostos, ledos, fagueiros, gozosos, lépidos, radiantes, exultantes, hílares, joviais, jubilosos, sorridentes, grazis, risonhos, jucundos, brilhantes, garridos, gaudiosos, álacres, vivazes, bonachões, ridentes, lestos, moinantes, galhofeiros, divertidos, pândegos, gárrulos, patuscos e expansivos.

Ficaram?

3 Responses

  1. Avatar
    22 agosto 2010 at 5:46 pm

    Fiquei pândega e leda, Lígia 🙂 As outras não me cairam bem, hahaha!

    Lígia Fascioni: Você fica bem com tudo, minha linda!

  2. Avatar
    22 agosto 2010 at 9:39 pm

    Lígia, que bacana essa nota! Tô “namorando” esse dicionário já tem um tempinho, mas ainda não tinha me decidido a comprar. Acho que agora não vai mais ter jeito mesmo… rsrsrs
    Beijos!

  3. Avatar
    Robson Marques
    Responder
    20 julho 2013 at 10:16 am

    Excelente explicação sobre o assunto. Adquiri um dicionário analógico e realmente manuseá-lo inicialmente não está sendo fácil como eu imaginava. Obrigado pelas suas aclarações.

Leave A Reply

* All fields are required