Porque a sexta é melhor que o sábado

Foto: Ligia Fascioni

A maioria das pessoas que conheço (e me incluo também) se auto-descreve como otimista. Pois é, pelo que acabei de ler, parece que o povo está falando sério mesmo.

Se tivesse que resumir o livro “The optimism bias: why we’re wired to look on the bright side” do neurocientista Tali Sharot em um frase, diria que ele explica porque as pessoas tendem a ver sempre o lado positivo das coisas. Não tem mistério: somos programados assim por uma questão de sobrevivência, olha só.

Tali começa mostrando como a nossa percepção vive nos pregando peças. As ilusões visuais são velhas conhecidas (ele mostra algumas clássicas no livro), mas podemos nos autoenganar com todos os outros sentidos. Além disso, geralmente a gente acha que é mais competente, inteligente, interessante, lógico e bonito do que realmente é, entre outras coisas.

Não adianta você dizer que não e sair desfilando sua modéstia; isso é estatisticamente verificado; o autor apresenta pesquisas feitas no mundo todo. O entrevistador pede para a pessoa se auto-avaliar e dizer se está abaixo, na média, ou acima da média em vários quesitos (ex: honestidade, beleza, liderança, bom senso, inteligência, relacionamentos, etc) .

Só para se ter uma ideia, 93% das pessoas consideram que dirigem melhor que a média. Ótimo, então como é que apenas 7% podem estar na média ou abaixo dela?  A conta não fecha. Conclusão: tem muita gente (a maioria) se achando melhor do que é de fato.

O engraçado é que a gente consegue ver claramente esse desvio nos outros, mas dificilmente em nós mesmos. Nossa percepção da realidade é subjetiva e não raro é diferente da realidade objetiva.

A explicação é que de fora fica mais fácil de ver a diferença entre a realidade e o que o outro está percebendo. Como a gente não consegue ver a nossa, automaticamente conclui que somos menos sucetíveis a esse tipo de distorção de julgamento, por isso se acha melhor que os demais. Sei que dói ouvir, mas isso é verdade para mim, para você e para toda a torcida do Flamengo.

Uma outra coisa importantíssima é a nossa habilidade de viajar mentalmente no tempo e no espaço; podemos voltar ao passado ou projetar o futuro num piscar de olhos, sem nenhuma preparação especial; é só querer. Nosso cérebro foi desenvolvido com essa capacidade e quanto mais a gente usa, mais consegue fazer isso bem.

Pois é, agora é que vem o fato curioso: em última instância, é justamente essa capacidade de viajar mentalmente que nos faz ser tão otimistas. O desvio para ver as coisas de maneira positiva (inclusive em nós mesmos) simplesmente não existe sem a capacidade elementar de considerar o futuro.

A nossa percepção da realidade, aliás, é afetada por muitos fatores. Um dos mais importantes é imaginar o que os outros esperam de nós. O livro apresenta mais uma batelada de pesquisas onde o desempenho das pessoas varia absurdamente por causa de uma palavra citada antes de um teste (a simples menção da palavra “estúpido” no cabeçalho de uma prova pode alterar completamente a média geral para baixo, para se ter uma ideia).

Ele fala também o fenômeno da profecia auto-realizável: você ou outra pessoa projeta expectativas que acabam acontencendo porque você  se esforça para fazê-las acontecerem. Por exemplo: diga aleatoriamente para 5 alunos em uma sala de aula que eles são mais inteligentes que os outros e veja quem tirará as melhores notas. Batata, não tem erro.

Tali fala também que, por causa dessa nossa capacidade de projetar o futuro, adoramos esperar um pouco para receber a recompensa. Se a comida for deliciosa, aguardar por ela faz parte do prazer da refeição; se o carro é customizado, você não se incomoda de ficar um mês inteiro sonhando até o dia de seu tesouro chegar. É aquele ditado que diz que preparar a festa é tão ou mais gostoso que a festa em si; é a ciência abalizando o que sua avó sempre disse. Quanto maior a expectativa do prazer, mais as pessoas curtem a espera e até se decepcionam um pouco quando a coisa acontece rápido demais.

O livro, que recomendo bastante, fala ainda sobre a relação entre o otimismo e a depressão; sobre como o cérebro aumenta de tamanho as áreas que são mais trabalhadas da mesma maneira que os músculos crescem quando exercitados; enfim, tem muita coisa boa para se aprender.

Como conclusão, as pesquisas só mostram o que todo mundo já sabia faz tempo: porque a sexta-feira (e não o sábado) é o dia mais adorado da semana (e não o domingo, quando ninguém trabalha).

Pois é, então só posso desejar pra todo mundo o óbvio depois de ler isso tudo: uma longa e deliciosa espera até um final de semana cheio de surpresas ótimas!

4 Responses

  1. Luiz Andreto
    Responder
    26 julho 2012 at 1:37 pm

    Poxa Lígia, estava justamente falando sobre essas questões com meu terapeuta e achei sua indicação. Excelente. Pena que não achei tem ainda versão em português da Tali Sharot. Mas, como sou muito otimista e como a Tali (e minha vó) disse: fico aqui criando expectativas e esperando para receber minha recompensa. (Gente, será que isso funciona para um rapaz mimado como eu? Quero a versão em português. AGORA! hehehe.

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      26 julho 2012 at 3:36 pm

      Vai aprender inglês, moço….eheheheh… ser só otimista não adianta, tem que trabalhar para a coisa acontecer 🙂
      Abraços e sucesso!

Leave A Reply

* All fields are required