Cercada por idiotas

Você já reparou que nunca existiram tantos idiotas no mundo como agora? A gente está simplesmente cercado por esses seres que não conseguem entender como o mundo funciona. Tem coisa mais irritante?

Claro que não. Por isso Thomas Erikson escreveu “Surrounded by idiots: the four types of human behaviour and how to effectively communicate with each in business (and in life)” (tradução livre: “Cercado por idiotas: os 4 tipos de comportamento humano e como se comunicar efetivamente com cada um deles nos negócios (e na vida)”).

O autor começa definindo o conceito de idiota: todo mundo que não vê o mundo da mesma forma que a gente vê. Tapão, hein?

Erikson diz que as pessoas têm estilos diferentes de ver o mundo e se comunicar com os outros. Quando a gente encontra alguém como nós, a conexão é imediata. A gente quase nem precisa falar. Mas com outras pessoas, parece que tudo que a gente disser vai ser usado contra nós. É um verdadeiro tormento. É claro que tem muitas outras coisas envolvidas, mas aqui ele trata dos estilos de comportamento. 

Algumas pessoas são quietas, outras não param de falar; algumas pessoas sempre precisam ter a palavra final, enquanto outras não tanta fazem questão; algumas pessoas mentem descaradamente, enquanto outras prezam pela verdade; e por aí vai. 

Como a gente tem que conviver com todos os tipos (não dá para se isolar numa bolha e viver só com os coleguinhas), o melhor é entender como cada tipo vê o mundo para tentar apresentar as ideias de maneira que a conexão aconteça. Achei bem útil.

O método, chamado DISC (Dominance, Influence, Stability e Compliance) foi criado por um vendedor muito talentoso e aprimorado depois junto com o filho. Eles montaram uma empresa em 1984 que é sucesso até hoje.

O DISC identifica quatro perfis de comportamento. Não é de hoje que os estudiosos tentam enquadrar personalidades em caixinhas; o que não falta é método para classificar gente. Penso que o eneagrama é o mais conhecido, mas tem muitas variações. 

Como o autor mesmo diz, nenhum método é completo e preciso; nenhuma pessoa se enquadra em apenas uma das caixinhas (no método DISC, por exemplo, 80% das pessoas se encaixam na combinação de dois tipos, 15% em três tipos e apenas 5% são perfeitamente descritos por um tipo só). Enfim, são apenas ferramentas de autoconhecimento e conhecimento do outro; sempre ajuda a gente prestar atenção nos aspectos essenciais de cada personalidade.

Bom, o problema que eu vi no livro é que, talvez por questões didáticas (ou de direitos autorais, não sei), ele prefere usar cores para identificar os perfis. No site do DISC a sigla tem outro significado (Dominance, Influence, Steadiness e Conscienciousness) com as cores completamente trocadas. Ok, que ele admite que o método do livro é inspirado nesse, mas trocar as cores gerou um pouco de confusão. 

Enfim, mas então vamos aos perfis de comportamento para entender como funcionam e como lidar com cada um deles.

1. VERMELHOS (DOMINANTES)

Os Vermelhos são geralmente extrovertidos e orientados a tarefas. Reagem rapidamente, esforçam-se por ter sempre o controle, não se importam muito com a opinião dos outros (nem mesmo sobre a sua pessoa) e tendem a evitar envolvimentos. 

Eles são ambiciosos, agressivos, têm uma força de vontade acima da média (passam por cima de qualquer coisa para atingir seus objetivos), são resolvedores de problemas e bastante independentes. 

Esses perfis são de maneira geral inovadores, impacientes, controladores, intensos e muito convincentes. Os Vermelhos amam competições e disputas. 

São totalmente motivados por ganhar, ultrapassar limites, superar expectativas. Geralmente não se conformam com o estado atual das coisas e fazem tudo para mudar e construir um novo, que eles acreditam ser melhor.

Pense em pessoas como Elon Musk,  Madre Teresa de Calcutá, Steve Jobs, Margareth tatacher, Venus Williams. Gente aparentemente difícil de conviver, mas que muda o mundo. 

2. AMARELOS (INSPIRADORES)

Sabe aquela pessoa otimista, cativante, cheia de amigos? Certeza que é um Amarelo. São orientados a relacionamentos (não a tarefas) e muito extrovertidos.

Os Amarelos falam o tempo todo, tomam decisões rápidas e raramente usam a razão para embasá-las. São entusiasmados, charmosos, criativos, espontâneos e adoram pessoas. Fazem amizade super rápido e não são amigos de planejamento, análises e burocracias. 

Eles têm certeza que tudo vai dar certo no final, basta ser otimista e acreditar.

Enquanto os vermelhos perguntam o que é para ser feito, os amarelos estão mais preocupados em quem vai fazê-lo.

Exemplos de Amarelos famosos: Oprah Winfrey, Robin Williams, Ellen Degeneres e Han Solo (personagem de Star Wars).

3. VERDES (ESTÁVEIS)

Os perfis Verdes são os mais comuns; estão em todo lugar. São as pessoas mais calmas, que se esforçam por fazer e manter conexões, não são muito amigas de mudanças, apoiam os outros e tendem a rejeitar conflitos. 

Os Verdes são mais orientados a relacionamentos (que valorizam muito) e estão mais para introvertidos. Eles são, na verdade, a média ponderada dos outros três perfis, ou seja, não têm qualidades ou defeitos extremos. 

Os Verdes jamais brigam ou ofendem alguém se isso puder ser evitado; são a personificação da gentileza. Os Verdes estão sempre mas interessados nos outros do que neles mesmos. São ótimos para trabalhar em equipe.

Os Verdes costumam ser pacientes, confiáveis, calmos, amigáveis, previsíveis, discretos, estáveis e bons companheiros. 

Exemplos de Verdes famosos: Michele Obama, Gandhi, Jesus. Pessoas que sabem como ajudar os outros.

4. AZUIS (ANALÍTICOS)

Os azuis são perfeccionistas no último; se você quer uma coisa bem-feita, peça para um Azul fazê-la. Eles amam tabelas, planilhas, gráficos. São mais orientados a tarefas e tendem a ser mais introvertidos. 

Os Azuis são muito detalhistas, ordeiros, organizados, lógicos, cautelosos, movidos pela qualidade, metódicos, reflexivos, modestos e corretos. São aquelas pessoas que querem conferir tudo; quando você faz uma afirmação que ela acha interessante, pede as fontes e mais material de pesquisa. 

Não são muito rápidos na tomada de decisão porque estão sempre considerando todos os aspectos e pontos de vista.

Exemplos de Azuis: Bill gates, Albert Einstein e o Dr. Spock do Star trek. São lógicos, racionais, intelectuais.

QUEM É MELHOR, NO FINAL DAS CONTAS?

Não tem melhor absoluto; tem melhor para cada tipo de tarefa. Melhor mesmo é ter todos os perfis disponíveis dentro da empresa e fazer a melhor combinação para cada caso.

Dois perfis são movidos por tarefas (Vermelho e Azul) e outros dois, por relacionamentos (Verde e Amarelo). Vermelho e amarelo tomam decisões rapidamente, Verdes e Azuis refletem mais.

Vermelhos são rápidos e ficam mais felizes em ter o controle e o comando; eles fazem realmente as coisas acontecerem. O que se precisa cuidar é que eles têm um fraco pelo poder e podem abusar dele. Vermelhos também gostam de pisar nos pés das pessoas e a sede por competir e ganhar pode atrapalhar.

Amarelos são divertidos, criativos e elevam o astral do grupo, não importa a situação. A questão é que for dado um espaço ilimitado para eles, irão consumo todo o oxigênio da sala. Eles precisam ser o centro das atenções sempre e suas histórias refletem cada vez menos a realidade. São mestres em “viajar na maionese”.

Verdes são muito agradáveis e fáceis de conviver porque estão sempre preocupados com os outros. Mas infelizmente eles também são um pouco inseguros e podem levar séculos para tomar decisões, o que pode tirar a energia das pessoas e realmente desanimá-las.

Azuis são calmos, ponderados e sempre pensam antes de falar. Sua habilidade de manter a cabeça fria pode ser preciosa em algumas situações. Porém, seu pensamento crítico que duvida e suspeita de tudo, sempre querendo checar todas as informações nos mínimos detalhes, pode trazer desconforto para as outras pessoas.

Vermelhos e Amarelos tendem a inflar suas qualidades e acreditar que eles simplesmente são maravilhosos e não têm fraquezas. Eles têm grandes e poderosos egos e uma autoestima invejável. Grande parte do seu sucesso pode ser creditado pelo fato de que não se importam muito com as falhas e só enxergam as boas notícias e as ótima oportunidades.

Verdes e Azuis geralmente exageram suas fraquezas e em alguns casos, ignoram seus pontos fortes. Como consequência disso, se você dá um feedback positivo para eles, geralmente fingem que não ouviram e mudam de assunto, o que também não é muito produtivo. 

COMO LIDAR COM CADA PERFIL

Se você quiser algo de um Vermelho, diga da maneira mais clara (e rápida) possível, com a maior exatidão que conseguir. Porém, não dê muitos detalhes, pois ele vai ignorar. Concentre-se no que é essencial e no que espera dele.

Para trabalhar com um Amarelo, dê tarefas criativas, coisas que ainda não foram testadas. Seja rápido, pois os Amarelos não gostam muito de ouvir; preferem falar. Se a tarefa envolver várias pessoas, tanto melhor. Amarelos adoram plateia.

Os Verdes são agradáveis e fáceis, mas um pouco lentos para fazer as coisas acontecerem. Se os Verdes estiverem em grupo, melhor ter outro perfil para assumir o comando, senão corre o risco de nada acontecer.

Trabalhar com Azuis implica em dar a eles o máximo de informações possível; detalhes importam muito. Lembre aos Azuis que as pessoas têm sentimentos e que eles não precisam criticá-las o tempo todo por não fazerem as coisas perfeitas.

Enfim, a questão é que, como pouquíssimas pessoas são de uma cor só, e, como dito acima, 80% têm pelo menos duas cores, o talento reside e misturar cores de perfis diversos para conseguir o melhor resultado.

O autor ainda ensina com dar más notícias para cada tipo, como dar feedbacks, como fazer dinâmicas que ressaltem os pontos positivos e negativos de cada perfil, quais são as combinações naturais, como se comunicar por escrito, quais os fatores de stress e as fontes de energia e motivação e exemplos da vida real. 

Se você trabalha com times, recomendo muito!

Leave A Reply

* All fields are required