Para comer direito

Não vou enganar ninguém: compro livro pela capa. E já deixei de comprar livro pela capa também. Sinto muito, mas sou dessas.

E olha, dificilmente me dou mal nas minhas escolhas. Para mim, a capa, a diagramação, a qualidade do papel e a tipografia geralmente são compatíveis com a qualidade do conteúdo. Se a editora contratou um designer que se deu ao trabalho de ler o livro e entender o espírito da história para conseguir comunicar ao potencial leitor que vale a pena mergulhar naquelas páginas, provavelmente vale a pena mesmo. Quando a coisa é mal feita, o amadorismo mostra o nariz e é impossível não notar.

Às vezes tem coisas bacanas, mas mal impressas e com capas ruins; essas geralmente eu perco, infelizmente. E tem capas bacanas com conteúdos ruins, claro. Mas, olha, pela minha experiência (que não é tanta, mas também não é de se jogar fora), costuma funcionar.

Digo isso porque nunca tive problemas de peso (desculpaí) e sempre fui desencanada para comer; jamais comprei um livro de dieta ou equivalente na vida. Mas aí estava passeando pelo site da Amazon e vi essa belezinha de capa dura, chamada “Food rules: an eater’s manual“, de Michael Pollan com ilustrações da Maira Kalman. Sério, o livro é tão lindo que se fosse sobre a produção de tampas de lapiseiras descartáveis no Afeganistão, teria comprado do mesmo jeito.

Só para não contrariar a minha regra, o conteúdo é ótimo. O autor é um estudioso dos nossos hábitos alimentares e sabe que comer hoje em dia, não é tarefa para amadores. Ele é também autor do bem mais famoso “O dilema do onívoro” que ainda não li.

Apesar da fartura inédita no mundo, tem mais porcaria química do que aquilo que mereceria se chamar comida nas prateleiras dos supermercados. É tudo tão complicado que a pessoa quase precisa de uma pós-graduação em nutrição se quiser se alimentar sem riscos. Há várias pesquisas (cujas fontes ele cita) que associam diretamente à chamada dieta ocidental (a comida que os americanos comem e o mundo todo está indo atrás) o aumento de doenças fatais das mais diversas como diabetes, câncer de colo de útero e doenças do coração, sem contar o problema da obesidade.

Bom, pesquisas científicas existem aos montes, mas conhecimento não muda comportamentos, como já falamos aqui. Então, o Michael pensou que em vez de ficar contando calorias ou recombinando diferentes tipos de carboidratos, melhor seria criar frases simples, memoráveis e de fácil entendimento. No livro são 83 regras e a maioria é bem fácil de repetir como um mantra cada vez que for apresentado a uma tentação. Separei algumas mais interessantes (que estou tentando seguir) para você ter uma ideia:

1. Coma comida (coisas como margarina não são comida, são apenas substâncias comestíveis, o que é bem diferente).

2. Não coma nada que a sua avó não reconheceria como comida (coisas que vêm em caixinhas não existiam no tempo dela; a probabilidade de não serem comida é grande).

3. Evite alimentos que têm alguma forma de açúcar como um dos três principais ingredientes.

4. Evite alimentos que contêm ingredientes que um estudante da terceira série não consiga pronunciar (adorei essa!).

5. Evite alimentos que ficam exaltando o fato de fazerem bem para a saúde (as margarinas não param de fazer isso).

6. Evite alimentos que fingem ser o que não são (cremes que imitam queijos, margarinas que imitam manteiga, líquidos que parecem iogurte, coisas viscosas que imitam azeite, etc)

7. Evite alimentos que aparecem nas propagandas de TV; a produção tem que ser industrializada em grande escala para pagar os custos (aliás, evite comer vendo TV).

8. Coma comida que pode estragar e atrair insetos (uma coisa que não estraga e nem os bichos querem comer, com certeza não pode ser chamada de comida).

9. Coma somente alimentos que foram preparados por pessoas. Máquinas não fazem comida, fazem substâncias comestíveis.

10. As coisas que entram pela janela do seu carro não são comida.

11. Não é comida se tem o mesmo nome em todos os países (ex: Big Mac, Cheetos, Pringles, etc)

12. Coma mais plantas.

13. Carnes podem ser usadas como tempero ou em ocasiões especiais; mas não para todo dia.

14. Coma como um onívoro, ou seja, varie ao máximo a dieta e experimente novos tipos de plantas, animais e cogumelos. Um dos problemas dos produtos industrializados é que quase tudo é à base de soja e milho; aí tem que entrar a química para diferenciar os sabores.

15. Tente comer peixes pequenos (que não estão no topo da cadeia alimentar) e não criados em cativeiro, como sardinhas, trutas e anchovas.

16. Não coma coisas que já vêm com sal ou açúcar.

17. Leite é comida, não bebida; não serve para matar a sede. Assim como suco de frutas, deve ser consumido com moderação.

18. Você pode comer junk food (ex: batatas fritas), desde que você mesmo as prepare.

19. Tome uma taça de vinho no jantar.

20. Pague mais, coma menos (ou prefira um bistrô a um rodízio de comida à vontade; compre menos carne, mas escolha cortes mais nobres). Enfim, coma menos e com mais qualidade.

21. Coma quando estiver com fome, não quando estiver triste ou chateado.

22. A escrivaninha não é lugar para comer.

23. Não coloque na mesa nada que tenha rótulo (isso eu faço sempre; detesto rótulos).

24. Tenha sempre um buquê de flores sobre a mesa; as coisas ficarão duplamente saborosas (verdade!).

25. Quebre as regras de vez em quando, não seja obsessivo. Como dizia Oscar Wilde “Faça tudo com moderação. Inclusive ser moderado“.

Tem mais coisas muito interessantes (ele explica e dá exemplos para cada regra e a ilustradora também colabora bastante) que valem a pena pensar em comprar um volume para chamar de seu, viu?

O livro me impressionou tanto que estou começando a cozinhar mais em casa (depois posto umas receitas bem-sucedidas aqui). Além de mais gostoso, é muito mais barato, pode acreditar. E é bem como Pollan diz: na vida, você precisa reservar tempo para as prioridades, as coisas que são mais importantes. Comer é muito importante.

Agora olha uma amostra das ilustrações da Maira Kalman, para, sem trocadilhos, fazer você ficar com água na boca…

Ilustrações: Mira Kalman

19 Responses

  1. Avatar
    Helen Günther
    Responder
    3 junho 2012 at 3:26 pm

    Oi, Lígia,
    Adorei a diferença entre “comida” e “substâncias comestíveis”.
    Obrigada por compartilhar mais este livro!
    Abraços,
    Helen

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      3 junho 2012 at 5:08 pm

      Aahahah… também achei isso ótimo, nunca tinha parado para pensar, Helen!
      Beijocas 🙂

  2. Avatar
    Patricia
    Responder
    3 junho 2012 at 3:26 pm

    Adorei!!! Sabe se já tem tradução??

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      3 junho 2012 at 5:07 pm

      Não sei não, Patricia. Mas o outro livro do autor, “O dilema do onívoro”, eu já vi em algum lugar. A edição ilustrada é de 2011, então talvez demore um pouco para chegar aí. Outra questão é o preço; em inglês, ele custa somente U$ 13, 93 (menos de R$ 30). Como é capa dura e totalmente ilustrado em cores, acho difícil que ele custe tão barato assim no Brasil 🙁

  3. Avatar
    Clotilde♥Fascioni
    Responder
    3 junho 2012 at 10:04 pm

    Hum, muito interessante, vou seguir algumas dessas regras, com certeza! Bjs♥

  4. Avatar
    Ariadne Brito
    Responder
    4 junho 2012 at 7:31 am

    Adorei as dicas! A gente que mora sozinha sabe bem o quanto é importante se dedicar a comer bem 🙂

  5. Avatar
    Luciana Akegawa
    Responder
    4 junho 2012 at 10:30 am

    Adorei!!Que delícia de livro deve ser e realmente muito linda as ilustrações! Obrigada por compartilhar!
    Eu particularmente adoro cozinhar, adoro ir ao supermercado comprar coisas fresquinhas, chego a ir até 2x na semana, não gosto de comida congelada, os rituais de uma mesa bem posta com flores realmente é muito prazeroso e aconchegante! Comer e comer bem realmente é muito importante para mim e minha família! Vou ler com certeza este livro!
    bjs

  6. Avatar
    9 junho 2012 at 6:31 pm

    Ligia, boa noite, mais um excelente e saboroso texto! Obrigado por compartilhar! Gnd abs!

  7. Avatar
    6 julho 2012 at 9:37 am

    Adorei as dicas, mas pelas ilustrações não quero nem saber o que ele fala sobre café 🙂

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      7 julho 2012 at 6:03 am

      Oi, Lili!

      Ele nem fala muito mal de café não (é claro que como tudo o que é demais faz mal, o consumo não deve ser excessivo). A única recomendação é que se tome cafeína em bebidas (ou comidas) que já tenham isso diretamente na sua composição (café, chá, chocolate) e evitar cafeína inserida artificialmente (ex: energéticos).
      Achei que você iria gostar de saber…rsrsrs

      Abraços!

  8. Avatar
    10 julho 2012 at 7:58 pm

    Menina, acredito em amor platônico, pois acabei de conhecer seu site e estou apaixonada. Que texto memorável sobre diagramação e mais que um prefácio pra um livro que preciso ler urgentemente. Adoro esses assuntos de saúde e alimentação e procuro sempre fazer o melhor que posso, mas sempre sou vencida pela pressa, prática, acomodação, enfim…Gostei demais viu!!! Bjs

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      11 julho 2012 at 12:16 pm

      Que bacana, Andréa!
      Você, eu e toda a torcida do Flamengo somos vencidos pela pressa…ehehehe
      Olha, mas estou conseguindo cozinhar mais em casa. Qualquer dia posto umas receitas simples e bacaninhas 🙂
      Abracos e volte sempre 🙂

  9. Avatar
    10 setembro 2013 at 11:21 am

    Fico impressionada como o que nos une às pessoas tem algo a mais que só percebemos ao longo do tempo… Ler este post me trouxe este sentimento, já faz algum tempo que estou diminuindo a quantidade de sal e açúcar, pois desejo envelhecer com saúde.
    Também tenho cozinhado em casa com frequência, estou muito decepcionada com o que tenho comido na ‘rua’ e o preço é ridículo…
    Graças à Deus fui criada por mulheres que cozinham muito bem e, por isso, apurei meu paladar, sendo assim não topo qualquer comida que se diz ‘bacana’. Até porque vamos refletir: se cada vez mais pessoas comem fast foods elas passam a ter um paladar diferente de quem come comida ‘caseira’, portanto a tendência é uma mudança na referência de sabor, não é mesmo?!
    Lígia, mais uma vez obrigada por esta maravilha de texto, fiquei feliz de ver que estou num processo ‘avançado’ em relação a alimentação de acordo com os tópicos do livro, rsrs.
    Podemos trocar umas receitinhas, viu?! Beijo Grande!

    • ligiafascioni
      ligiafascioni
      Responder
      10 setembro 2013 at 2:54 pm

      Que bom, Taís! Vamos trocar umas receitas sim, vou adorar 🙂
      Beijos <3

  10. Avatar
    11 maio 2014 at 8:55 pm

    Ameiiii vou ler! Vc spe intetessantemente inteligente! Bjo

Leave A Reply

* All fields are required