Street art também é autoconhecimento

Há alguns dias soube, por um cartaz num ponto de ônibus, que o Groth Gruppe, uma grande construtora (por coincidência, a mesma que construiu o apartamento onde moro), estava promovendo gratuitamente, para quem quisesse participar, workshops de street art no canteiro de obras de um de seus empreendimentos.

A ideia é que os participantes construam coletivamente obras que depois serão expostas no local, com direito a festa e tudo. Achei essa ideia excelente, principalmente para aumentar o sentimento de pertencimento da comunidade a uma obra civil que impacta enormemente o entorno.

Foram três sessões, cada uma facilitada por artistas famosos na cidade (e olha que o que não falta em Berlim é artista). A primeira eu perdi porque não fiquei sabendo, mas aproveitei muito as outras duas. Até porque, analisando agora, quando recebi as fotos do evento, dei-me conta do quanto essas experiências contribuíram para meu autoconhecimento.

O primeiro workshop foi facilitado pelos artistas Various & Gould. O casal tem trabalhos maravilhosos de colagens pela cidade (já fotografei alguns) e a primeira tarefa consistia em escolher duas palavras quaisquer. Cada um escrevia (ou desenhava; eles enfatizaram que a tipografia era um elemento importantíssimo na escolha) a sua e seriam eleitas duas pelo grupo. Minha proposta, a palavra alles (tudo, em alemão) desenhada num formato de globo, foi uma das escolhidas na seleção final. A outra foi Kunst (arte, em alemão), desenhada bem ao estilo grafite por um rapaz.

Enquanto os outros participantes treinavam técnicas de pintura em telas usando moldes, sprays e outras ferramentas, os autores das duas palavras precisavam desenhá-las no painel de acrílico coberto com uma película. A ideia era a gente recortar a película e deixar apenas a palavra coberta. Assim, todos juntos iriam fazer intervenções em diversas camadas e no final a gente tiraria a película, deixando a palavra em branco. Também fiz algumas intervenções, diverti-me muito e foi sensacional. Voltei para casa como criança pequena cansada depois de brincar o dia todo.

O segundo workshop, com o artista Christian Awe, também super prestigiado e conhecido, foi um pouco diferente. Também tínhamos dois paineis grandes para trabalhar, mas ele escolheu uma paleta de cores para cada equipe: uma usaria cores quentes, a outra, cores frias.

Houve mistura de técnicas diversas: aquarela, tinta acrílica, moldes com spray, bolinhas de gude sujas de tinta escorrendo pela prancha, colagens e sobreposições usando fita crepe, enfim, aprendi um monte de coisas. Mas, para mim, o outro tinha sido tão mais legal…

Voltei para casa pensando por que seria. Os dois tinham sido conduzidos por artistas bacanas, os participantes eram praticamente os mesmos e os resultados nem tinham ficado tão diferentes assim.

Depois de muito pensar, descobri: é que não gosto de pintar, eu amo desenhar! No primeiro workshop passei mais da metade do tempo desenhando. No segundo, tentei improvisar um pincel de dedo e depois com um graveto, mas não ficou bom. Para mim, pintar é até divertido, desde que seja um meio para desenhar.

Já pintei muros, quase não tenho mais paredes livres em casa, amo tintas e canetas mais que tudo. Mas preciso desenhar. Sem isso, para mim, é como se a obra ficasse inacabada, como se eu não tivesse conseguido me comunicar. Fica faltando!

Talvez isso explique também meu encanto por obras hiperrealistas e predominantemente figurativas; as abstratas só me chamam atenção se tiverem algum desenho, algum traço deliberadamente desenhado, como Paul Klee.

Enfim, são décadas desenhando e pintando para só agora me dar conta do que realmente gosto de fazer.

Achei interessante compartilhar minha experiência e conclusões porque pode colocar uma pulguinha aí atrás da sua orelha. Ou, quem sabe, no seu caso, um pincel ou um lápis.

Klemens_Renner_01 (1)
Fotos: @Klemens Renner @Groth Gruppe #paracegover Na imagem eu apareço observando os trabalhos do portfolio do artista Christian Awe. O portfólio está em forma de pranchetas com fotos organizadas dentro de uma caixa de papelão. Estou vestindo um macacão de TNT para proteger a roupa das tintas. Ao fundo um muro rabiscado, um painel rosa pink para ser trabalhado e uma mesa cheia de tintas.

 

Klemens_Renner_09 (1)
Fotos: @Klemens Renner @Groth Gruppe  #paracegover Na foto eu apareço fazendo experimentos com moldes e tinta em spray. Uso um macacão branco de TNT, máscara descartável sobre o nariz e a boca e luvas azuis. Do lado direito da imagem aparece uma montanha de paralelepípedos, já que estamos trabalhando no canteiro de obras.

 

Klemens Renner 11 (1)
Fotos: @Klemens Renner @Groth Gruppe #paracegover Aqui aparecem a equipe que participou do primeiro workshop (19 pessoas) e mais um cachorro fofo que também é artista. Ao fundo, o painel com a palavra “alles” desenhada por mim. Do lado esquerdo, ao fundo, aparece uma parte do painel “Kunst”.
Klemens_Renner_17 (1)
Fotos: @Klemens Renner @Groth Gruppe #paracegover Na imagem apareço mostrando os testes que fiz numa tela para o artista Christian Awe. É claro que ele incentivou, mas, pela minha cara, dá para ver que não gostei muito do resultado…rs

PS: Meu sonho continua sendo pintar (ou melhor, desenhar) um mural em Berlim. Bem grande. Quem sabe?

1 Response

  1. Avatar
    13 junho 2016 at 4:38 pm

    Continuas aprendendo e incentivando a que aprendam o que aprendeste… Não há coisa mais bonita, Lígia! Grande abraço!

Leave A Reply

* All fields are required